sicnot

Perfil

Mundo

Desemprego no Brasil sobe e atinge 8,4 milhões de pessoas no segundo trimestre do ano

O desemprego registado no Brasil subiu e atingiu 8,4 milhões de pessoas no segundo trimestre do ano, terminado em junho, o maior patamar da série histórica, iniciada em 2012, divulgou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A chamada taxa de desocupação, que mede o desemprego no país, ficou em 8,3% entre abril e junho, face aos 7,9% no primeiro trimestre do ano e aos 6,8% no segundo trimestre de 2014, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), que considera entrevistas com mais de 200 mil domicílios, em 3.500 cidades brasileiras.

A taxa de desocupação considera os maiores de 14 anos que estão sem emprego, mas ativamente em busca de trabalho.

O número de desempregados, 8,4 milhões, representou uma subida de 5,3%, ou 421 mil pessoas, entre os dois primeiros trimestres.

A população ocupada foi estimada pelo instituto em 92,2 milhões de pessoas e o rendimento médio mensal dos trabalhadores em 1.882 reais (464,4 euros).

Os outros números de desemprego no Brasil divulgados pelo IBGE no último dia 20, da Pesquisa Mensal de Emprego, consideram apenas seis regiões metropolitanas de grandes cidades: Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, Salvador e Recife. Nesse caso, a taxa de desocupação foi de 7,5%, ou 1,8 milhão de pessoas.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28