sicnot

Perfil

Mundo

França quer serviços secretos europeus a cooperar contra terrorismo

O porta-voz do governo francês, Stéphane Le Foll, afirmou hoje que a França quer reforçar a coordenação dos serviços de inteligência europeus, depois do ataque na semana passada ao comboio que liga Amsterdão a Paris.

Reuters

Numa entrevista a alguns órgãos de comunicação social franceses, Le Foll afirmou que "já existe uma coordenação europeia", e acrescentou que isso ficou demonstrado pelo facto de a Espanha ter informado a França das intenções do presumível terrorista Ayub El Khazzani.

"Temos de reforçar a coordenação, esse trabalho de coordenação é essencial para o êxito da luta contra o terrorismo", disse o porta-voz do Executivo francês.

O presidente francês, François Hollande, falou na segunda-feira da organização de uma reunião dos ministros do Interior de vários países europeus e alguns meios de comunicação social avançaram a data do próximo sábado, mas não foi confirmada pelas autoridades francesas.

Le Foll deu a entender que os serviços de segurança franceses não detetaram a presença de Ayub El Khazzani em França no ano passado, onde esteve pelo menos durante dois meses, pelo que uma das questões em análise agora é saber onde esteve a morar e com quem se relacionou.

O marroquino Ayoub El Khazzani tentou atacar um comboio em França, na sexta-feira, e foi neutralizado por passageiros, entre os quais três norte-americanos, um britânico e um francês, num incidente que resultou em dois feridos.

O acusado nega qualquer ligação com grupos radicais islâmicos e evoca uma tentativa de assalto, neste episódio.

Duas investigações estão em curso, uma a cargo do Ministério Público antiterrorista de Paris e outro pelo Ministério Público federal belga.

Segundo a advogada, que o acompanhou quando ainda estava sob custódia policial em Arras (no norte de França) e antes de ser transferido para a unidade antiterrorismo em Paris, o marroquino, de 25 anos, "ficou estupefacto com o caráter terrorista que atribuíram à sua ação".

O homem disse que encontrou a arma de assalto, uma Kalashnikov, numa mala num parque perto da estação ferroviária de Bruxelas, onde dorme com outros sem abrigo, e queria usá-la para assaltar os passageiros do comboio "para comprar comida", disse a advogada, Sophie David, ao canal BFMTV.

A defesa de Ayoub El-Khazzani, que deverá ficar preso até hoje, dia em que se prevê a libertação de um comunicado sobre o andamento das investigações, não convenceu os investigadores.

O seu perfil de islâmico radical, identificado pelos serviços secretos de quatro países europeus (Espanha, França, Bélgica e Alemanha), orienta os investigadores a acreditar que o marroquino queria realizar um ataque no comboio.

  • Rúben Lima nega crimes de corrupção no processo Cashball
    6:04

    Desporto

    Rúben Lima, um dos 8 jogadores suspeitos de terem sido aliciados por intermediários ao serviço do Sporting para beneficiar o clube de Alvalade, nega todos os crimes investigados pela Polícia Judiciária. Numa entrevista exclusiva à SIC, o jogador do Moreirense garante que não conhece nenhum dos quatro arguidos detidos no âmbito do processo Cashball.

    Exclusivo SIC

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • Rui Rio alerta que violações do segredo de justiça ameaçam democracia
    2:16

    País

    Rui Rio diz que não pede demissões "a cada esquina" e prefere aguardar pelas respostas do ministro Adjunto Siza Vieira, sobre o alegado conflito de interesses com os acionistas chineses da EDP. O líder do PSD esteve esta terça-feira reunido com a direção nacional da Polícia Judiciária, onde defendeu que a violação do segredo de justiça é insustentável e ameaça o regime democrático.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • A maior obra de reconversão urbana em Portugal 20 anos depois
    3:47