sicnot

Perfil

Mundo

Rapaz destrói quadro ao escorregar em visita a museu

Rapaz destrói quadro ao escorregar em visita a museu

Um rapaz de 12 anos destruiu um quadro no valor de 1,4 milhões de euros, ao escorregar e enfiar o braço na obra de arte com 350 anos, durante a visita a um museu em Taipé.

O rapaz levava uma bebida na mão quando escorregou para cima do quadro "Flowers" ("Flores"), uma pintura a óleo da autoria de Paolo Porpora.

O canal de televisão Focus Taiwan News afirma que os organizadores da exposição - "Face of Leonardo: Images of a Genius" - já garantiram que não vão pedir o reembolso dos custos da reparação da obra à família do menino. A estação cita Sun Chi-hsuan, segundo o qual o ato foi involuntário, pelo que não deve ser responsabilizado.

A obra "Flowers" é, de acordo com a Web Gallery of Art - uma base de dados sobre arte europeia -, o único quadro de Paolo Porpora que está assinado e data de 1660. Porpora nasceu em Nápoles mas mudou-se para Roma, onde trabalhou para a família Chigi.

  • Circulação retomada na A23, mais de 1.600 operacionais no combate às chamas

    País

    A circulação rodoviária na A23 foi completamente restabelecida ao início da manhã depois de ter estado cortada por causa dos incêndios que, no total, mobilizam mais de 1.600 operacionais e contam com reforço espanhol. Nos vários fogos que atingem o país estão 1.648 operacionais no terreno, apoiados por mais de 500 viaturas e 15 meios aéreos.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.