sicnot

Perfil

Mundo

Três mortos e vários feridos graves num tiroteio no norte de França

Pelo menos três pessoas morreram e várias ficaram feridas com gravidade num tiroteio que aconteceu num acampamento nómada em Roye, no norte de França, anunciou hoje o Ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve.

YOAN VALAT

Segundo o ministro, um homem entrou nos terrenos do acampamento e matou "a sangue frio" um bebé de seis meses, uma mulher e um homem.

Para além de ter causado a morte a três pessoas, o homem feriu ainda dois agentes da polícia francesa, numa segunda troca de tiros aquando da chegada destes, estando um deles em estado crítico - e uma criança de três anos.

O diário local Courrier Picard adiantou que o tiroteio aconteceu por volta das 16:30 locais (15:30 em Lisboa) no interior do acampamento, perto de uma esquadra da polícia.

Em declarações à imprensa, Bernard Cazeneuve homenageou os agentes policiais pela "valentia" que tiveram ao colocar-se no caminho do criminoso, evitando, desta forma, mais mortes.

Ao local do tiroteio compareceram as forças de segurança e os bombeiros, bem como as autoridades locais.

O autor dos disparos foi detido.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.