sicnot

Perfil

Mundo

Tufão Goni faz mais de 20 feridos e obriga a cancelamento de 300 voos no sul do Japão

Pelo menos 26 pessoas ficaram feridas na sequência da passagem do tufão Goni pelo Japão. A tempestade forçou o cancelamento de 300 voos, causou interrupções nos comboios de alta velocidade e cortes no fornecimento de energia elétrica.

reuters

Às 11:45 (03:45 em Lisboa), o tufão Goni estava a aproximadamente 200 quilómetros a norte da prefeitura de Fukuoka, na ilha meridional de Kyushu, movendo-se em direção a nordeste, segundo a Agência Meteorológica do Japão (JMA).

O Goni, 15.º tufão de 2015 no Pacífico, com uma intensidade considerada como "forte" à passagem pelo Japão, ainda faz com que se mantenha o nível de alerta em grande parte das regiões do sul e do oeste do país devido ao risco de fortes chuvas, inundações, deslizamentos de terras e ventos de até 180 quilómetros por hora.

A tempestade deixou temporariamente sem luz 470 mil habitações na região de Kyushu, segundo dados da companhia elétrica, tendo as autoridades locais recomendado a retirada de milhares de residentes.

Cerca de 300 voos foram cancelados no sudoeste do país, a maioria dos quais com partida ou chegada em Kyushu, enquanto grande parte dos comboios de alta velocidade (Shinkansen) e das linhas locais que ligam esta zona a outras áreas do país sofreu atrasos ou interrupções.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".