sicnot

Perfil

Mundo

Atirador do massacre de Denver condenado a 3318 anos de prisão

A sentença lida esta quarta-feira para o autor do massacre de Denver em 2012 foi de 3318 anos de prisão. James Holmes escapou à pena de morte, porque o júri do Tribunal do Colorado não foi unânime na decisão.

© POOL New / Reuters

A justiça norte-americana dita que, neste caso, seja aplicada a pena de prisão perpétua sem hipótese de alguma vez lhe ser concedida a liberdade condicional. No mês passado, o grupo de jurados não hesitou em considerá-lo culpado da morte de 12 pessoas num ataque durante a exibição de um filme de Batman num cinema de Aurora, nos arredores de Denver. 70 pessoas ficaram feridas.

Durante o julgamento ficou claro que uma falha na arma evitou que Holmes tivesse feito mais vítimas. A acusação sempre manteve a certeza de que a intenção do atirador era matar todas as 400 pessoas que assistiam ao filme.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".