sicnot

Perfil

Mundo

Identificado suspeito da morte de dois jornalistas nos Estados Unidos

A polícia do estado norte-americano de Virgínia identificou o suspeito da morte a tiro de dois jornalistas hoje durante uma emissão em direto, como sendo Lester Lee Flanighan, segundo meios de comunicação locais.

www.wdbj7.com

www.wdbj7.com

O atacante, cuja cara foi captada pela câmara de televisão, encontra-se de momento em fuga, conduzindo um carro Ford Mustang, e é um ex-colega das vítimas no canal local WDBJ, segundo o Governador da Virgínia, Terry McAuliffe.

"Estou de coração destroçado por estas mortes sem sentido", acrescentou.

Dois jornalistas do canal televisivo WDBJ do estado norte-americano de Virgínia foram mortos a tiro hoje de manhã durante uma transmissão em direto, segundo a agência France Presse (AFP).

No vídeo transmitido pela afiliada local da televisão CBS, tiros podem ser ouvidos antes de o operador de câmara, Adam Ward, de 27 anos, cair no chão.

Alison Parker, de 24 anos, repórter que apresentava a reportagem, que faria parte do programa matinal do canal televisivo, também foi morta.

"Não sabemos o motivo", declarou o diretor da estação, Jeffrey Marks.

"Eles estavam apenas a fazer o seu trabalho", afirmou.

Vicki Gardner, diretora de uma Câmara de Comércio regional que estava a ser entrevistada, foi atingida nas costas e está a ser submetida a uma cirurgia, segundo o jornal local Roanoke Times, apesar de informações contraditórias que a dão como ilesa.

A WDBJ opera a partir da cidade de Roanoke, no estado de Virgínia, a cerca de 385 quilómetros a sudoeste da capital, Washington.

O incidente ocorreu na localidade de Moneta, perto de Roanoke.

Lusa

  • "É preciso despartidarizar o sistema de Proteção Civil", diz Duarte Caldeira
    2:47
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • Arcebispo de Braga pede responsabilidades pelos incêndios
    1:40

    País

    Braga também sofreu um dos mais violentos incêndios dos últimos anos. O fogo descontrolado atravessou várias freguesias e destruiu duas empresas. A igreja, pela voz do arcebispo de Braga, pede ação e o apuramento de responsabilidades, face a esta calamidade.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06