sicnot

Perfil

Mundo

Recém-nascido morre depois de mordido por rato em hospital indiano

Um recém-nascido morreu depois de ter sido mordido por ratos num hospital público no sul da Índia, revelou hoje a mãe.

Arquivo

Arquivo

© Adnan Abidi / Reuters

Três responsáveis sanitários foram suspensos, na sequência deste incidente no hospital público Guntur no estado de Andhra Pradesh, onde o menino, com dez dias, estava internado na unidade de cuidados intensivos neo-natal devido a problemas urinários.

A mãe, Chavali Lakshmi, afirmou ter alertado o pessoal depois de ter visto marcas de mordeduras nos dedos do bebé.

O ministro-chefe do estado de Andhra Pradesh, N. Chandrababu Naidu, anunciou a suspensão de três responsáveis sanitários e abertura de um inquérito ao incidente.

O principal responsável do hospital T. Venugopala Rao afirmou ao jornal Times of India que, depois de várias queixas, tinham sido colocadas ratoeiras na unidade de cuidados intensivos neo-natal, considerando que a morte do bebé "é um incidente infeliz".

A maioria dos 1,2 mil milhões de habitantes da Índia depende dos hospitais públicos, com falta de pessoal e recursos, para ter cuidados médicos gratuitos.

No ano passado, um hospital no estado de Madhya Pradesh, no centro do país, contratou equipas de desratização, na sequência de várias queixas de doentes mordidos por ratos.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.