sicnot

Perfil

Mundo

Recém-nascido morre depois de mordido por rato em hospital indiano

Um recém-nascido morreu depois de ter sido mordido por ratos num hospital público no sul da Índia, revelou hoje a mãe.

Arquivo

Arquivo

© Adnan Abidi / Reuters

Três responsáveis sanitários foram suspensos, na sequência deste incidente no hospital público Guntur no estado de Andhra Pradesh, onde o menino, com dez dias, estava internado na unidade de cuidados intensivos neo-natal devido a problemas urinários.

A mãe, Chavali Lakshmi, afirmou ter alertado o pessoal depois de ter visto marcas de mordeduras nos dedos do bebé.

O ministro-chefe do estado de Andhra Pradesh, N. Chandrababu Naidu, anunciou a suspensão de três responsáveis sanitários e abertura de um inquérito ao incidente.

O principal responsável do hospital T. Venugopala Rao afirmou ao jornal Times of India que, depois de várias queixas, tinham sido colocadas ratoeiras na unidade de cuidados intensivos neo-natal, considerando que a morte do bebé "é um incidente infeliz".

A maioria dos 1,2 mil milhões de habitantes da Índia depende dos hospitais públicos, com falta de pessoal e recursos, para ter cuidados médicos gratuitos.

No ano passado, um hospital no estado de Madhya Pradesh, no centro do país, contratou equipas de desratização, na sequência de várias queixas de doentes mordidos por ratos.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.