sicnot

Perfil

Mundo

Rei da Arábia Saudita visita os EUA em setembro

A Presidência norte-americana indicou hoje que o rei Salman da Arábia Saudita será recebido em Washington no início de setembro, naquela que será a sua primeira visita à Casa Branca desde que assumiu a liderança do reino petrolífero.

© Jim Bourg / Reuters

"O Presidente [Barack Obama] vai receber o rei da Arábia Saudita a 04 de setembro", afirmou o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, a bordo do avião presidencial Air Force One, confirmando desta forma uma informação avançada por uma fonte diplomática de Riade.

Os esforços comuns dos dois países na "luta antiterrorista", bem como a evolução dos conflitos no Iémen e na Síria vão ser alguns dos temas em foco no encontro entre Obama e o rei saudita, precisou Josh Earnest, acrescentando que esta visita demonstra a importância da parceria estratégica entre Washington e Riade.

O rei Salman, que subiu ao trono saudita após a morte do seu meio-irmão Abdallah em janeiro último, não compareceu em maio passado numa cimeira organizada por Barack Obama na residência presidencial de Camp David.

O encontro Estados Unidos/Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) pretendia tranquilizar os países do Golfo (Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Koweit, Omã e Qatar) face ao programa nuclear do Irão e à crescente influência de Teerão naquela região.

Na altura, a ausência do rei saudita foi interpretada como um sinal de descontentamento por parte de Riade perante a perspetiva de um acordo entre o regime de Teerão e as potências ocidentais sobre o controverso programa nuclear iraniano.

A Arábia Saudita foi então representada pelo príncipe herdeiro Mohammed ben Nayef, bem como pelo filho do rei e ministro da Defesa saudita, o príncipe Mohammed ben Salman.

O acordo sobre o dossiê nuclear iraniano seria alcançado em Viena, Áustria, a 14 de julho.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite