sicnot

Perfil

Mundo

Biblioteca Britânica recusa documentos por receio de violar lei antiterrorista

Académicos de vários países acusam o governo britânico de criar um "clima de medo", depois de a Biblioteca Britânica ter recusado a maior coleção de documentos dos talibãs do Afeganistão por receio de violar as leis antiterroristas.

© Peter Nicholls / Reuters

Um grupo internacional de investigadores passou anos a reunir documentos relacionados com os talibãs - jornais oficiais de quando governaram o Afeganistão (1996-2001), poemas, mapas, emissões de rádio e vários volumes de leis e decretos -, a digitalizá-los e a traduzir tudo para inglês.

O projeto, lançado em 2012 e que incluiu membros da biblioteca nacional britânica no seu conselho consultivo, visava criar um espólio útil para investigadores interessados no movimento talibã e na insurgência que se prolonga até hoje no Afeganistão.

A Biblioteca Britânica deveria arquivar uma cópia matriz do espólio digitalizado, mas no último momento informou os autores do projeto recear que manter uma tal coleção violasse a legislação britânica contra o terrorismo.

"É surpreendente e dececionante", considerou Alex Strick van Linschoten, um autor e investigador de Berlim que ajudou a lançar o projeto, citado pela agência France Presse.

"Não há receitas para fazer bombas nem nada desse género. Trata-se de documentos que vão ajudar as pessoas a compreender a história, sejam afegãos a tentar conhecer o seu passado recente ou estrangeiros que querem compreender o movimento", explicou.

"Qualquer investigador sabe que é fundamental ler documentos primários relacionados com o assunto se quiser compreender os grupos militantes, mas há um clima de medo entre os académicos que estudam este tipo de material porque a lei britânica é muito vaga", acrescentou.

A Biblioteca Britânica manifestou reservas em falar sobre a decisão, remetendo para o governo.

Uma porta-voz confirmou no entanto que a Biblioteca "não tem atualmente capacidade para adquirir uma cópia do arquivo", acrescentando: "É um grande arquivo digitalizado que contém material que pode transgredir a lei sobre terrorismo (...) Os pareceres jurídicos recebidos pela Biblioteca Britânica e instituições semelhantes desaconselham que este tipo de material esteja acessível".

O Ministério do Interior recusou comentar.

As leis antiterroristas aprovadas no Reino Unido em 2000 e em 2006 definem como delito "a recolha de material que possa ser usado por uma pessoa que cometa ou prepare um ato de terrorismo" e criminalizam a "circulação de publicações terroristas".

Mas a lei também define que a polícia tem de provar que os proprietários de tais materiais partilham do conteúdo dos mesmos e que pretendem que eles sejam utilizados para atos terroristas.

James Fitzgerald, professor na Dublin City University e editor da revista científica Critical Studies on Terrorism, considerou a decisão da Biblioteca "completamente ridícula".

"Vai contra as bases da pesquisa. O objetivo de uma biblioteca é ter este tipo de informação, ter documentos históricos. Não é possível ter boa investigação sem dados primários", disse.

Fitzgerald também responsabiliza o governo britânico por criar um ambiente que deixa os investigadores crescentemente nervosos quanto a trabalhos que tenham qualquer coisa a ver com grupos extremistas.

"Isto é um sintoma de uma ortodoxia arrepiante na legislação do Reino Unido", disse.

Apesar da recusa da Biblioteca Britânica, a coleção de documentos dos talibãs despertou o interesse das universidades norte-americanas de Stanford e de Yale, assim como da biblioteca nacional da Suíça, segundo membros do projeto.

"Estando digitalizados, estes registos vão estar inevitavelmente acessíveis", explicou Peter Neuman, diretor do Centro Internacional para o Estudo da Radicalização, de Londres, na sua conta na rede social Twitter.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.