sicnot

Perfil

Mundo

Polícia espanhola faz buscas à sede do partido do presidente regional da Catalunha

A polícia espanhola realizou hoje buscas à sede de uma fundação do partido do presidente do governo regional da Catalunha, Artur Mas, por suspeitas de corrupção, numa operação a menos de um mês das eleições na região.

Manu Fernandez

O partido de Artur Mas, a Convergència Democràtica de Catalunya (CDC), apresenta-se nas eleições autonómicas de 27 de setembro com um programa que visa a independência da Catalunha.

A operação policial surge a poucas horas do primeiro grande ato de pré-campanha da coligação "Junts pel sí" (Juntos pelo Sim) - que integra a CDC, organizações da sociedade civil e vários partidos de esquerda.

Francesc Homs, conselheiro da presidência da Generalitat [Governo Regional da Catalunha], considerou hoje que a operação policial na Fundación CatDem é uma manobra "dos poderes do Estado" espanhol para prejudicar a CDC nas eleições.

"É um ato de campanha eleitoral com o intuito de prejudicar. Nada tem a ver com a vontade de obter justiça. É para prejudicar e montar um espetáculo televisivo. Esta não é a forma de agir de Estado democrático e de Direito", afirmou Homs em conferência de imprensa no parlamento catalão.

Homs assegurou que elementos do Estado avisaram as várias televisões na noite de quinta-feira de que a polícia iria fazer buscas, o que - no seu entender - prova a vontade de prejudicar a CDC.

A plataforma liderada pela CDC - a "Junts pel sí" - encara as eleições de 27 de setembro como um plebiscito sobre a independência da Catalunha. Caso obtenha a maioria no parlamento catalão, pretende iniciar um processo de separação da Catalunha no prazo de ano e meio.

A operação policial da Guardia Civil está enquadrada numa investigaçãao ao alegado pagamento de comissões ilegais de 3% à CDC pela construtora Teyco, propriedade da família Sumarroca, com ligações ao partido.

Agentes da Guardia Civil de Tarragona, Barcelona e Madrid fizeram buscas pouco depois das 13:00 na sede da CDC, para recolher documentação. Logo pela manhã tinham feito buscas na sede da Fundación Catalanista y Demòcrata (CatDem), vinculada ao mesmo partido, bem como a quatro câmaras municipais catalães (Sant Cugat, Figueres, Sant Celoni e Lloret de Mar) que, alegadamente, terão adjudicado obras em troca de comissões.

Fontes judiciais citadas pela imprensa espanhola indicam que - quando ocorreram os alegados ilícitos - todos estes municípios tinha gestão de autarcas da CiU - a coligação Convergência e União (CiU) que então era composta pelo CDC.

A Procuradoria Anticorrupção tem vindo a reunir provas sobre o pagamento de comissões na Catalunha após o ex-presidente da Generalitat Pasqual Maragall ter acusado publicamente a CiU "de ter um problema com os 3%".

O CDC é o maior partido da Catalunha desde 1980, e já esteve sob a alçada da justiça. O seu fundador, Jordi Pujol, presidente da Catalunha durante 23 anos, foi investigado em 2014 por alegada corrupção e fraude fiscal.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28