sicnot

Perfil

Mundo

Estado Islâmico executou perto de 100 pessoas no último mês, revela ONG

O grupo 'jihadista' Estado Islâmico executou no período de um mês perto de 100 pessoas, um terço dos quais civis, nas zonas que estão sob o seu controlo na Síria, indicou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

© Osman Orsal / Reuters


Segundo o OSDH, o grupo executou entre 29 de julho e 29 de agosto 91 pessoas, incluindo 32 civis, por diferentes "crimes".

Este balanço inclui também membros do grupo extremista, combatentes rebeldes e membros das forças do presidente Bashar al-Assad, indicou o OSDH.

Com este balanço eleva-se a 3.156 pessoas o número de pessoas executadas na Síria pelos extremistas desde junho de 2014. Entre as vítimas há 1.841 civis.

A feitiçaria, a homossexualidade e a colaboração com a coligação liderada pelos Estados Unidos que combate os 'jihadistas' são "crimes" punidos com a morte nas zonas controladas pelo Estado Islâmico.

Na Síria, o grupo extremista sunita, que controla várias zonas em províncias do norte e centro do país, tem sido alvo desde setembro de 2014 de ataques aéreos de uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos.

Estes ataques ajudaram as forças curdas a recuperarem algumas regiões, sem, no entanto, conseguirem neutralizar o grupo extremista.

No sábado, oito 'jihadistas' do Estado Islâmico foram mortos num bombardeamento da coligação na cidade de Raqa (norte), considerada a "capital" do grupo na Síria.

Lusa

  • PS acusa PSD e CDS de falta de agenda política
    1:01

    Caso CGD

    O PS considera o anúncio desta nova comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos um ataque doentio de PSD e CDS ao ministro das Finanças, que visa apenas desviar as atenções dos bons resultados da economia portuguesa. O deputado socialista João Paulo Correia diz que falta agenda política aos partidos de direita.

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31
  • Mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas

    Mundo

    As mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas ou bissexuais, ou mesmo que todos os homens hetero, homo ou bissexuais. O estudo que dá conta desta realidade revela também o que fazer para aumentar as hipóteses de uma mulher alcançar um orgasmo.