sicnot

Perfil

Mundo

Duas novas detenções no caso de cadáveres descobertos em camião na Áustria

Duas novas detenções foram feitas no âmbito da investigação sobre a descoberta na semana passada dos corpos de 71 migrantes num camião abandonado numa autoestrada do leste da Áustria, anunciaram hoje as autoridades austríacas.

Reuters

Um homem foi detido na Bulgária e outro na Hungria, declarou Verena Strnad, a porta-voz da procuradoria de Eisenstadt, no estado de Burgenland, onde o camião foi encontrado na quinta-feira.

Estão agora detidas sete pessoas no âmbito deste inquérito, seis das quais foram detidas na Hungria. Dos cinco que já estavam presos provisoriamente, quatro são búlgaros e um afegão.

A polícia considera que os suspeitos são operacionais de um dos numerosos gangues de traficantes de seres humanos que extorquem grandes somas de dinheiro aos migrantes para alcançarem a Europa.

Entre os 71 cadáveres encontrados no camião, encontrava-se o de uma rapariga de um ou dois anos, assim como os de três rapazes pequenos. Os migrantes eram possivelmente sírios e terão morrido asfixiados.

  • A estreia de Centeno como líder do Eurogrupo
    1:56
  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    A Justiça espanhola pediu à Dinamarca para ativar a ordem de detenção europeia contra Carles Puigdemont, que ignorou as ameaças de detenção e decidiu deslocar-se a Copenhaga para participar numa conferência. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • Eleição de Rio "embaraça" PCP e BE
    0:34

    Opinião

    Luís Marques Mendes considera que a eleição de Rui Rio veio criar embaraço ao PCP e Bloco de Esquerda. O comentador da SIC considera que a promessa de que venha a haver pactos de regime entre PS e PSD é motivo de preocupação para os parceiros do Governo.

    Luís Marques Mendes

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".