sicnot

Perfil

Mundo

Nova Iorque lança concurso para ver papa Francisco no Central Park

As autoridades de Nova Iorque decidiram criar uma espécie de "lotaria" para distribuir bilhetes para a procissão que será presidida este mês no Central Park pelo papa Francisco, no âmbito da sua primeira visita oficial aos Estados Unidos.

© Mike Segar / Reuters

"A 25 de setembro, o papa Francisco vai saudar os milhares de convidados durante uma procissão histórica em Central Park", indicou a câmara de Nova Iorque, num comunicado.

Devido à limitação do emblemático parque em Manhattan, os nova-iorquinos que quiserem assistir à cerimónia terão de obter bilhetes que serão posteriormente sorteados numa espécie de "lotaria" nos dias 03 e 07 de setembro na página na Internet da autarquia.

"A procissão em Central Park vai dar a milhares de nova-iorquinos a oportunidade de estar cara-a-cara com o papa Francisco", afirmou o presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, citado no mesmo comunicado.

"Estamos orgulhosos de receber na nossa cidade uma das vozes mais poderosas do mundo e estamos gratos à arquidiocese pela cooperação, dando a muitos nova-iorquinos a oportunidade de se juntarem a esta visita histórica", acrescentou o autarca.

O papa Francisco inicia a sua primeira visita oficial aos Estados Unidos no dia 22 de setembro.

Em Washington, o pontífice terá, no dia 23, um encontro com o Presidente Barack Obama e discursa, no dia seguinte, no Congresso norte-americano.

Francisco será o primeiro papa na história a dirigir-se às duas câmaras do Congresso norte-americano (Câmara dos Representantes e Senado).

Ainda na capital federal, Francisco reúne-se com bispos norte-americanos na catedral de São Mateus o Apóstolo e irá celebrar uma missa de canonização do Beato Junípero Serra (1713-1784), franciscano espanhol que evangelizou a Califórnia e o México no século XVIII.

O pontífice viaja depois para Nova Iorque onde terá uma agenda bastante carregada, incluindo a celebração das vésperas, no dia 24, com membros do clero na catedral São Patrício.

No dia seguinte, dia 25, o papa faz uma intervenção diante da Assembleia-geral das Nações Unidas, celebrando depois uma missa no complexo Madison Square Garden e a procissão no Central Park.

Ainda nesse dia, Francisco vai visitar o memorial e o museu dos atentados do 11 de setembro e uma escola primária centenária no bairro nova-iorquino de Harlem. O pontífice vai ainda encontrar-se com menores que entraram sozinhos e de forma ilegal nos Estados Unidos.

O papa deixa Nova Iorque no dia 26 de setembro e segue para Filadélfia, onde vai participar no encerramento do VIII Encontro Mundial de Famílias.

Antes de iniciar a visita aos Estados Unidos, Francisco desloca-se a Cuba.

O processo histórico do restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, que estão separados unicamente pelos 150 quilómetros do Estreito da Florida e que viveram de costas voltadas durante mais de meio século, contou com a colaboração do Vaticano.

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.