sicnot

Perfil

Mundo

Nova Iorque lança concurso para ver papa Francisco no Central Park

As autoridades de Nova Iorque decidiram criar uma espécie de "lotaria" para distribuir bilhetes para a procissão que será presidida este mês no Central Park pelo papa Francisco, no âmbito da sua primeira visita oficial aos Estados Unidos.

© Mike Segar / Reuters

"A 25 de setembro, o papa Francisco vai saudar os milhares de convidados durante uma procissão histórica em Central Park", indicou a câmara de Nova Iorque, num comunicado.

Devido à limitação do emblemático parque em Manhattan, os nova-iorquinos que quiserem assistir à cerimónia terão de obter bilhetes que serão posteriormente sorteados numa espécie de "lotaria" nos dias 03 e 07 de setembro na página na Internet da autarquia.

"A procissão em Central Park vai dar a milhares de nova-iorquinos a oportunidade de estar cara-a-cara com o papa Francisco", afirmou o presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, citado no mesmo comunicado.

"Estamos orgulhosos de receber na nossa cidade uma das vozes mais poderosas do mundo e estamos gratos à arquidiocese pela cooperação, dando a muitos nova-iorquinos a oportunidade de se juntarem a esta visita histórica", acrescentou o autarca.

O papa Francisco inicia a sua primeira visita oficial aos Estados Unidos no dia 22 de setembro.

Em Washington, o pontífice terá, no dia 23, um encontro com o Presidente Barack Obama e discursa, no dia seguinte, no Congresso norte-americano.

Francisco será o primeiro papa na história a dirigir-se às duas câmaras do Congresso norte-americano (Câmara dos Representantes e Senado).

Ainda na capital federal, Francisco reúne-se com bispos norte-americanos na catedral de São Mateus o Apóstolo e irá celebrar uma missa de canonização do Beato Junípero Serra (1713-1784), franciscano espanhol que evangelizou a Califórnia e o México no século XVIII.

O pontífice viaja depois para Nova Iorque onde terá uma agenda bastante carregada, incluindo a celebração das vésperas, no dia 24, com membros do clero na catedral São Patrício.

No dia seguinte, dia 25, o papa faz uma intervenção diante da Assembleia-geral das Nações Unidas, celebrando depois uma missa no complexo Madison Square Garden e a procissão no Central Park.

Ainda nesse dia, Francisco vai visitar o memorial e o museu dos atentados do 11 de setembro e uma escola primária centenária no bairro nova-iorquino de Harlem. O pontífice vai ainda encontrar-se com menores que entraram sozinhos e de forma ilegal nos Estados Unidos.

O papa deixa Nova Iorque no dia 26 de setembro e segue para Filadélfia, onde vai participar no encerramento do VIII Encontro Mundial de Famílias.

Antes de iniciar a visita aos Estados Unidos, Francisco desloca-se a Cuba.

O processo histórico do restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, que estão separados unicamente pelos 150 quilómetros do Estreito da Florida e que viveram de costas voltadas durante mais de meio século, contou com a colaboração do Vaticano.

Lusa

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.