sicnot

Perfil

Mundo

Dezenas de mortos em duplo atentado contra mesquita xiita no Iémen

Dezenas de pessoas morreram esta quarta-feira num duplo atentado suicida perpetrado contra uma mesquita xiita no centro da capital iemenita, Sanaa, segundo testemunharam no local jornalistas da agência espanhola EFE, que também referiram a existência de muitos feridos.

A situação de conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro último com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias xiitas 'huthis' e a consequente fuga do Presidente iemenita Abdrabuh Mansur Hadi para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita.

A situação de conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro último com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias xiitas 'huthis' e a consequente fuga do Presidente iemenita Abdrabuh Mansur Hadi para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita.

© Khaled Abdullah Ali Al Mahdi

De acordo com a agência noticiosa espanhola, dezenas de corpos ficaram espalhados no exterior e no interior da mesquita de Al Muayad, localizada no bairro de Jarraf, principal bastião do movimento rebelde xiita dos 'huthis' em Sanaa.

Fontes médicas citadas pela agência francesa AFP confirmam pelo menos 20 mortos e 50 feridos.

Testemunhas relataram que o primeiro ataque foi perpetrado por um homem que usava um cinto com explosivos. O suicida fez-se explodir quando os fiéis estavam a sair da mesquita.

Cerca de 20 minutos depois, quando várias pessoas acorreram ao local para ajudar as vítimas, um segundo indivíduo fez explodir um carro armadilhado.

A situação de conflito no Iémen acentuou-se em fevereiro último com a tomada da capital, Sanaa, pelas milícias xiitas 'huthis' e a consequente fuga do Presidente iemenita Abdrabuh Mansur Hadi para a segunda cidade do país, Aden, e, perante o avanço dos rebeldes, para a Arábia Saudita.

Em meados de março, uma ofensiva militar conduzida por uma aliança árabe, liderada pela Arábia Saudita (sunita), iniciou raides aéreos para tentar travar o avanço das milícias xiitas.

Aden foi reconquistada em meados de julho aos rebeldes pelas forças leais ao presidente Abdrabuh Mansur Hadi.

Lusa

  • Nunca mais
    9:16