sicnot

Perfil

Mundo

Nave tripulada russa lançada hoje com destino à Estação Espacial Internacional

A nave tripulada russa Soyuz TMA-18M foi hoje lançada para o espaço com destino à Estação Espacial Internacional (EEI).

reuters

O lançamento ocorreu sem contratempos às 07:37 (05:37 em Lisboa) a partir do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, informaram as agências russas citadas pela Efe.

A acoplagem da nave à plataforma orbital vai decorrer na manhã de sexta-feira.

Inicialmente estava previsto que a Soyuz fosse acoplada à EEI seis horas após a descolagem, mas a agência espacial russa -- Roscosmos -- decidiu modificar o programa de voo por motivos de segurança.

A Soyuz descolou com três tripulantes a bordo: o russo Serguéi Volkov, comandante da nave, o dinamarquês Andreas Mogensen e o cazaque Aidín Aimbétov, que substituiu a cantora britânica Sarah Brightman, que tinha manifestado interesse em tornar-se na oitava turista espacial.

Brightman, de 54 anos, renunciou ao seu objetivo por "motivos familiares" e interrompeu o treino.

Perante a impossibilidade de preparar a tempo outro turista espacial, a Roscosmos decidiu preencher o lugar livre com um astronauta profissional.

Os astronautas dinamarquês e cazaque vão permanecer oito dias na EEI e regressam a Terra acompanhados do russo Guennadi Padalka, um dos atuais seis 'inquilinos' da plataforma orbital.

Além de Padalka, a tripulação da EEI é composta pelos também russos Mijaíl Kornienko e Oleg Kononenko, pelo japonês Kimiya Yui e pelos norte-americanos Kjell Lindgren e Scott Kelly.

A Estação Espacial Internacional é um projeto de mais de 100.000 milhões de dólares participado por 16 nações.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.