sicnot

Perfil

Mundo

Cidade em Fukushima declarada habitável depois de evacuada há quatro anos

A cidade japonesa de Naraha, na região de Fukushima, foi hoje declarada oficialmente habitável, após o levantamento da ordem emitida após o acidente nuclear de 11 de março de 2011.

© Issei Kato / Reuters

O regresso da vida a Naraha foi oficialmente assinalado à meia-noite, depois de uma vigília de velas ter ocupado um parque da cidade, segundo informações comunicadas pela autarquia através da sua página de Internet.

Os antigos habitantes (2.694 lares, 7.368 pessoas) tinham até à data o direito de voltar à cidade para preparar o respetivo regresso, mas só a partir de hoje se podem reinstalar totalmente.

Segundo a imprensa japonesa, apenas pouco mais de 10% se terão inscrito para regressar.

As autoridades estimam que o nível de exposição à radioatividade em Naraha, cidade localizada a cerca de 20 quilómetros da central de Fukushima Daiichi, tenha regressado a valores abaixo de 20 millisieverts por ano.

Este nível permite, em teoria, segundo o governo japonês e organismos internacionais, condições para os habitantes lá viverem, ainda que a descontaminação não esteja concluída.

Organizações ecologistas contestam estas conclusões. "O nível de contaminação é variável dentro desta localidade e consoante as casas, o que pode criar tensões entre pessoas", disse recentemente à AFP, Jan Vande Putte, da Greenpeace.

Cerca de 7.000 pessoas trabalham diariamente nos complicados trabalhos de desmantelamento da central e controlo dos resíduos radioativos.

O sismo de magnitude 9 na escala de Richter e consequente tsunami, que devastaram o nordeste do Japão a 11 de março de 2011, deixaram mais de 18 mil mortos e desaparecidos, e causaram na central de Fukushima Daiichi o pior acidente nuclear desde Chernobil (Ucrânia) em 1986.

O primeiro reator nuclear foi reativado no Japão a 11 de agosto, mais de quatro anos depois do acidente na central de Fukushima, que suspendeu a atividade em todas as centrais do país desde setembro de 2013.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • Avicii tinha deixado os palcos há 2 anos por motivos de saúde
    2:14
  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Passageiros do voo da Southwest Airlines usaram as máscaras de oxigénio ao contrário

    Mundo

    Uma pessoa morreu e sete outras ficaram feridas esta terça-feira depois de um avião da Southwest Airlines ter aterrado de emergência no aeroporto de Filadélfia, nos Estados Unidos. Ao longo da semana várias pessoas ligadas à aviação fizeram comentários sobre a forma como os passageiros utilizaram as máscaras de oxigénio, como é o caso de Bobby Laurie, um ex-comissário de bordo.

    SIC

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Cultura

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Portugal compromete-se a enviar profissionais de saúde para África
    2:39
  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • Mágico comove audiência do Britain's Got Talent com a história de cancro da mulher e da filha
    5:16