sicnot

Perfil

Mundo

Centenas de pessoas protestam no Chile contra despenalização do aborto

Centenas de pessoas vestidas de branco protestaram no sábado junto ao Templo Votivo de Maipú, no Chile, contra uma proposta de lei que prevê despenalizar o aborto em caso de violação, risco para a saúde da mãe ou malformações congénitas.

© Alex Lee / Reuters

O diploma foi submetido em janeiro ao Congresso Nacional pelo governo da Presidente Michelle Bachelet. No início de agosto, com oito votos a favor e cinco contra, uma comissão legislativa concordou debater a proposta de lei.

O protesto deste sábado foi convocado através das redes sociais pela organização Mulheres de Branco e decorreu simultaneamente em várias cidades do Chile.

Pais, crianças e devotos religiosos concentraram-se para se manifestarem contra a iniciativa do Executivo.

A iniciativa replicou-se nas cidades de Valdivia, Osorno, Temuco e Chillán, todas no sul do Chile e Arica, no extremo norte do país.

Atualmente o Chile é um dos poucos países do mundo que mantém a proibição legal absoluta do aborto, juntamente com El Salvador, Nicarágua, Honduras, Haiti, Suriname, Andorra, Malta e o Vaticano.

Segundo dados do Ministério da Saúde em 2012, no Chile foram registados 30.000 abortos, dos quais 3.000 foram praticados em meninas e adolescentes com idades entre 10 e 19 anos.

O aborto, independentemente dos motivos, é estritamente proibido desde os últimos dias da ditadura de Augusto Pinochet, podendo ser punido com uma pena de até cinco anos de prisão.

Ao apresentar a proposta de lei, em janeiro, Michelle Bachelet, de 63 anos, afirmou, por isso, ser hora de mudança.

"Os factos mostram que banir completamente o aborto e torná-lo, assim, ilegal não travou a prática", apontou Michelle Bachelet que regressou à chefia de Estado em março de 2014, após ter sido a primeira mulher a assumir a presidência do Chile (2006-2010).

Outras tentativas foram feitas com vista à introdução de leis sobre o aborto, mas em vão.

Pinochet proibiu o aborto em 1989, num dos atos finais dos 17 anos do seu regime.

Antes, e por mais de 50 anos, o Chile consentia o aborto no caso de a vida da mãe estar em risco ou de inviabilidade fetal.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.