sicnot

Perfil

Mundo

Escultura em forma de vagina em Versalhes volta a ser vandalizada

GALERIA DE FOTOS

Uma escultura monumental em forma de vagina, criada pelo artista britânico Anish Kapoor e instalada no parque de Versalhes, em Paris, foi vandalizada pela segunda vez, com inscrições antissemitas pintadas.

YOAN VALAT

YOAN VALAT

YOAN VALAT

YOAN VALAT

YOAN VALAT

YOAN VALAT

"Rainha sacrificada, duas vezes ultrajada", "SS Sacrifício Sangrento", e "Cristo é rei em Versalhes" são alguns exemplos das mensagens deixadas na obra intitulada "Dirty Corner" ("Canto Sujo", desde junho nos jardins, entre outras da exposição do artista de 61 anos de origem indiana.

A escultura, com dez metros de comprimento feita em aço, pesando várias toneladas, causou polémica logo na inauguração a 9 de junho, quando Kapoor admitiu as conotações sexuais evidentes da peça, e foi vandalizada pouco tempo depois.

Desta vez, François Hollande repudiou "firmemente" num comunicado a degradação de que a obra foi alvo, manifestando solidariedade para com o artista, defendendo a liberdade de expressão "nos lugares mais prestigiados do património de França".

Por seu lado, Anish Kapoor já veio dizer que não quer que as inscrições sejam retiradas: "Da primeira vez até achei que tinha sido bom porque a obra foi toda limpa, mas agora acho que devem ficar as inscrições porque acabam por fazer parte da minha obra".

A obra vai ficar exposta, tal como as outras, até novembro no parque de Versalhes.

Com Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.