sicnot

Perfil

Mundo

Luso-descendente luta contra epidemia de heroína nos EUA depois de overdose do filho

Em 2013 a luso-descendente Lori Palazzi Gonsalves estava no hospital a rezar pelo filho que sofrera uma 'overdose' grave quando decidiu lutar contra a epidemia de heroína que atinge os Estados Unidos.

© Goran Tomasevic / Reuters

"Os médicos vieram e disseram-me que achavam que ele não ia sobreviver", lembrou Gonsalves ao jornal Taunton Gazette. "Rezei para que ele vivesse e prometi naquele momento que isto não podia acontecer em vão, que tentaria fazer algo positivo. A minha voz teria de ser ouvida".

Desde essa altura, Gonsalves organizou marchas e viajou pelo estado de Massachusetts com o filho e o marido para partilhar a sua história com jovens e pais em escolas e outras organizações.

Segundo dados anunciados em julho pelo Centro de Controlo de Doenças (CDC), o consumo de heroína nos Estados Unidos cresceu 63% em 11 anos, atingindo grupos que não alcançava antes, e é agora considerado uma epidemia.

No mesmo período, as mortes por 'overdose' causadas por esta droga quadruplicaram.

O filho de Gonsalves, Cory, era jogador de basebol e membro da National Honors Society, uma organização de melhores alunos do país, quando foi operado ao ombro e começou a tomar Percocet, um medicamento prescrito pelo médico para as dores.

Cory continuou a usar a droga quando entrou na universidade, de forma recreativa, e para lutar contra a depressão causada pelo fracasso na carreira de basebol.

O custo com o medicamento, cerca de 200 ou 300 dólares semanais (entre 180 e 270 euros), acabou por ser demasiado elevado e Cory começou a tomar heroína, que era mais potente, barata (uma dose de heroína custa menos de nove dólares [oito euros]) e dispensava prescrição médica.

Segundo os dados do CDC, pessoas dependentes de analgésicos são 40 vezes mais prováveis de se tornar dependentes de heroína.

Esse é um dos motivos que levou Lori Gonsalves a organizar no domingo passado, em Taunton, uma manifestação 'Fed Up', a repetição de um evento nacional que acontece há três anos e que pretende alertar para os perigos de drogas analgésicas e da adição que causam.

Cory, que ainda faz fisioterapia para tentar recuperar a sua mobilidade e fala, que ficou muito afetada, também já participou num anúncio de televisão para uma campanha de prevenção.

A sua história também chegou à Câmara dos Representantes, quando o congressista Joseph Kenny mencionou o seu caso para argumentar a favor de uma proposta de lei sobre prescrições médicas de analgésicos.

"O que interessa é: o vício tem de ser tratado e encarado como uma doença, é preciso dedicar mais fundos aos programas de tratamento e prevenção, especialmente as comunidades mais atingidas por esta epidemia", explicou Gonsalves.

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.