sicnot

Perfil

Mundo

Luso-descendente luta contra epidemia de heroína nos EUA depois de overdose do filho

Em 2013 a luso-descendente Lori Palazzi Gonsalves estava no hospital a rezar pelo filho que sofrera uma 'overdose' grave quando decidiu lutar contra a epidemia de heroína que atinge os Estados Unidos.

© Goran Tomasevic / Reuters

"Os médicos vieram e disseram-me que achavam que ele não ia sobreviver", lembrou Gonsalves ao jornal Taunton Gazette. "Rezei para que ele vivesse e prometi naquele momento que isto não podia acontecer em vão, que tentaria fazer algo positivo. A minha voz teria de ser ouvida".

Desde essa altura, Gonsalves organizou marchas e viajou pelo estado de Massachusetts com o filho e o marido para partilhar a sua história com jovens e pais em escolas e outras organizações.

Segundo dados anunciados em julho pelo Centro de Controlo de Doenças (CDC), o consumo de heroína nos Estados Unidos cresceu 63% em 11 anos, atingindo grupos que não alcançava antes, e é agora considerado uma epidemia.

No mesmo período, as mortes por 'overdose' causadas por esta droga quadruplicaram.

O filho de Gonsalves, Cory, era jogador de basebol e membro da National Honors Society, uma organização de melhores alunos do país, quando foi operado ao ombro e começou a tomar Percocet, um medicamento prescrito pelo médico para as dores.

Cory continuou a usar a droga quando entrou na universidade, de forma recreativa, e para lutar contra a depressão causada pelo fracasso na carreira de basebol.

O custo com o medicamento, cerca de 200 ou 300 dólares semanais (entre 180 e 270 euros), acabou por ser demasiado elevado e Cory começou a tomar heroína, que era mais potente, barata (uma dose de heroína custa menos de nove dólares [oito euros]) e dispensava prescrição médica.

Segundo os dados do CDC, pessoas dependentes de analgésicos são 40 vezes mais prováveis de se tornar dependentes de heroína.

Esse é um dos motivos que levou Lori Gonsalves a organizar no domingo passado, em Taunton, uma manifestação 'Fed Up', a repetição de um evento nacional que acontece há três anos e que pretende alertar para os perigos de drogas analgésicas e da adição que causam.

Cory, que ainda faz fisioterapia para tentar recuperar a sua mobilidade e fala, que ficou muito afetada, também já participou num anúncio de televisão para uma campanha de prevenção.

A sua história também chegou à Câmara dos Representantes, quando o congressista Joseph Kenny mencionou o seu caso para argumentar a favor de uma proposta de lei sobre prescrições médicas de analgésicos.

"O que interessa é: o vício tem de ser tratado e encarado como uma doença, é preciso dedicar mais fundos aos programas de tratamento e prevenção, especialmente as comunidades mais atingidas por esta epidemia", explicou Gonsalves.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20