sicnot

Perfil

Mundo

Protestos contra quebra do preço do leite cortam acessos a Bruxelas

A polícia federal belga cortou hoje vários acessos a Bruxelas devido aos protestos dos agricultores contra a crise agroalimentar que fez cair o preço do leite, informou a agência espanhola EFE.

As manifestações acontecem na véspera do Conselho extraordinário dos ministros da Agricultura da União Europeia, que vai decorrer na capital belga.

Um dos túneis que liga a zona das instituições ao centro de Bruxelas permanece cortado e várias ruas dessa zona estão inacessíveis devido aos protestos organizados nas imediações da rotunda de Schuman e do Parque do Cinquentenário, próximos das instituições comunitárias.

Cerca de 150 tratores deviam chegar hoje a Bruxelas vindos da localidade de Battice, Liége, mas, segundo fontes policiais citadas pela EFE. ainda permanecem nessa região, e são apenas cerca de 15 veículos.

Durante o dia de segunda-feira, durante o qual vai decorrer o Conselho extraordinário, esperam-se cerca de cinco mil tratores nas ruas da capital belga.

Os agricultores iniciaram as suas marchas em direção a Bruxelas partindo de diferentes zonas da Bélgica, organizando-se em colunas de manifestantes que avançaram até confluírem para a frente do edifício Justus Lipsius, sede do Conselho da União Europeia, pelas 11:00 locais.

Antevendo fortes perturbações ao longo do dia de segunda-feira, a polícia federal belga já recomendou aos cidadãos que deixem o carro em casa.

No entanto, também se espera que várias linhas de autocarros sofram perturbações na circulação ao longo do dia, e a estação de metro de Schuman, a mais próxima das instituições comunitárias, vai estar encerrada todo o dia.

Os agricultores protestam pela queda do preço do leite, que em junho se pagava a 28,2 cêntimos por litro, 25% abaixo do que custava um ano antes.

Lusa

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08