sicnot

Perfil

Mundo

Segurança de Dilma Rousseff reforçada devido a ameaças na internet

O esquema de segurança para a participação da presidente brasileira, Dilma Rousseff, no desfile comemorativo do Dia da Independência, na segunda-feira, foi reforçado devido a ameaças na Internet de um ex-candidato a deputado opositor.

© Ueslei Marcelino / Reuters

De acordo com a informação, confirmada a vários meios de comunicação pelo deputado socialista Paulo Pimenta, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional do Palácio do Planalto, general José Elito Carvalho Siqueira, mandou aumentar o número de efetivos que vigiarão Rousseff durante as comemorações em Brasília.

Pimenta foi encarregado de denunciar um vídeo que circula na rede social Youtube em que o advogado Matheus Sathler Garcia, ex-candidato a deputado do opositor Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), ameaça Rousseff de "cortar-lhe a cabeça" se a mandatária não renunciar até domingo.

No vídeo, Garcia dá a Rousseff a "alternativa" de suicidar-se, como fez em 1954 o então presidente Getúlio Vargas.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Marcus Vinicius Coelho, afirmou que o colégio que regula a profissão jurídica no Brasil abrirá um processo interno contra Garcia, que, segundo a polícia, não foi encontrado na sua residência.

Durante a celebração do 193.º aniversário da independência do Brasil esperam-se vários protestos contra Dilma Rousseff, cuja popularidade está em mínimos históricos (7%) e enfrenta uma aguda crise política e problemas com a economia, que este ano se calcula que tenha uma contração de 1,49%.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".