sicnot

Perfil

Mundo

Merkel exige solidariedade de países europeus para acolher migrantes

De acordo com a Angela Merkel, a Alemanha é um país aberto "ao acolhimento de pessoas que precisam de ajuda, mas outros países europeus também podem acolhe-los e têm de garantir que o fazem respeitando os direitos humanos".

Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, exigiu hoje solidariedade dos países europeus para fazer face à crise dos refugiados depois de, durante o fim de semana, se terem registado mais de 15 mil pedidos de asilo só na Alemanha.

"Só com a solidariedade europeia podemos superar este número", afirmou Merkel, ao apresentar hoje uma serie de medidas para assegurar o acolhimento de todos os refugiados que estão a chegar à Alemanha."Os perseguidos políticos devem encontrar apoio em todos os países europeus e não só na Alemanha", afirmou, lembrando que o acordo de Dublin permanece em vigor.

Merkel aproveitou a sua comparência perante a comunicação social para expressar o seu agradecimento às autoridades dos estados federais, dos municípios e aos milhares de voluntários que cooperaram para facilitar a chegada dos refugiados durante o fim de semana.

"A população em geral mostrou uma imagem do nosso país que nos permite sentir um pouco de orgulho", afirmou Merkel.

O vice-chanceler e ministro da Economia, Sigmar Gabriel, que compareceu conjuntamente com Merkel, disse que a Alemanha irá acolher este ano cerca de 800 mil refugiados e está disposto a enfrentar e superar esse número a longo prazo, mas é necessário o apoio de outros países europeus.

Gabriel acrescentou ainda que a situação atual irá ser enfrentada com um misto de confiança e realismo.

"Confiança porque as pessoas mostraram a sua disposição de ajudar e realismo porque temos que ter claro que também haverá problemas e conflitos e quanto mais abertamente falarmos disso mais êxito teremos em desmistificar os receios de alguns", disse Gabriel.

Os partidos do Governo acordaram na reunião que terminou esta madrugada uma serie de medidas que deverão passar no parlamento antes de final de outubro.

Entre essas medidas destinam-se 3.000 milhões de euros adicionais ao orçamento federal de 2016 para a ajuda aos refugiados. Esses fundos deverão ser repartidos entre os estados federais e os municípios.

Os estados federais vão ter mais 3.000 milhões destinados ao mesmo fim.

O orçamento de 2015 havia destinado a mil milhões de euros para o mesmo efeito.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • Sol e calor ficam para o Natal
    1:50

    País

    Com o Natal à porta, o sol teima em ficar um pouco por todo o país. Até a norte as temperaturas estão altas para esta época do ano com o distrito do Porto a rondar os 18 graus.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10