sicnot

Perfil

Mundo

Merkel exige solidariedade de países europeus para acolher migrantes

De acordo com a Angela Merkel, a Alemanha é um país aberto "ao acolhimento de pessoas que precisam de ajuda, mas outros países europeus também podem acolhe-los e têm de garantir que o fazem respeitando os direitos humanos".

Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, exigiu hoje solidariedade dos países europeus para fazer face à crise dos refugiados depois de, durante o fim de semana, se terem registado mais de 15 mil pedidos de asilo só na Alemanha.

"Só com a solidariedade europeia podemos superar este número", afirmou Merkel, ao apresentar hoje uma serie de medidas para assegurar o acolhimento de todos os refugiados que estão a chegar à Alemanha."Os perseguidos políticos devem encontrar apoio em todos os países europeus e não só na Alemanha", afirmou, lembrando que o acordo de Dublin permanece em vigor.

Merkel aproveitou a sua comparência perante a comunicação social para expressar o seu agradecimento às autoridades dos estados federais, dos municípios e aos milhares de voluntários que cooperaram para facilitar a chegada dos refugiados durante o fim de semana.

"A população em geral mostrou uma imagem do nosso país que nos permite sentir um pouco de orgulho", afirmou Merkel.

O vice-chanceler e ministro da Economia, Sigmar Gabriel, que compareceu conjuntamente com Merkel, disse que a Alemanha irá acolher este ano cerca de 800 mil refugiados e está disposto a enfrentar e superar esse número a longo prazo, mas é necessário o apoio de outros países europeus.

Gabriel acrescentou ainda que a situação atual irá ser enfrentada com um misto de confiança e realismo.

"Confiança porque as pessoas mostraram a sua disposição de ajudar e realismo porque temos que ter claro que também haverá problemas e conflitos e quanto mais abertamente falarmos disso mais êxito teremos em desmistificar os receios de alguns", disse Gabriel.

Os partidos do Governo acordaram na reunião que terminou esta madrugada uma serie de medidas que deverão passar no parlamento antes de final de outubro.

Entre essas medidas destinam-se 3.000 milhões de euros adicionais ao orçamento federal de 2016 para a ajuda aos refugiados. Esses fundos deverão ser repartidos entre os estados federais e os municípios.

Os estados federais vão ter mais 3.000 milhões destinados ao mesmo fim.

O orçamento de 2015 havia destinado a mil milhões de euros para o mesmo efeito.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as várias as fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto por mostrar, de forma crua, as consequências das chamas. A foto é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.