sicnot

Perfil

Mundo

Antídotos contra mordeduras de cobras estão a esgotar-se

Alguns dos mais eficazes antídotos contra mordeduras de cobras estão a escassear pelo mundo inteiro, alertam os especialistas. Dezenas de mihares de pessoas podem estar em risco.

Reuters

O Fav-Afrique, capaz de neutralizar 10 tipos diferentes de mordedura de cobra na África sub-sariana, é "desesperadamente" necessáro, alertam os Médicos Sem Fronteiras (MSF), citados pela BBC.

O fabricante - Sanofi Pasteur - deixou de fabricar o produto o ano passado, mas garante, porém, que irá partilhar a receita com outros fabricantes. O último lote expira em junho do ano que vem e não há, por enquanto, qualquer substituto "tão eficaz", garante a MSF.

O fabricante está em negociações para a venda da tecnologia do antídoto a outras entidades, mas enquanto não estão finalizadas haverá um número "incontável" de mortes, alerta a MSF.

"A maioria das pessoas que são mordidas por uma cobra não sabem bem que cobra é, pelo que ter um antídoto capaz de combater uma grande número de venenos é realmente importante. Tememos que, sem um antídito disponível, morram pessoas desnecessariamente", avisa Polly Markandya, da organização MSF.

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".