sicnot

Perfil

Mundo

Antídotos contra mordeduras de cobras estão a esgotar-se

Alguns dos mais eficazes antídotos contra mordeduras de cobras estão a escassear pelo mundo inteiro, alertam os especialistas. Dezenas de mihares de pessoas podem estar em risco.

Reuters

O Fav-Afrique, capaz de neutralizar 10 tipos diferentes de mordedura de cobra na África sub-sariana, é "desesperadamente" necessáro, alertam os Médicos Sem Fronteiras (MSF), citados pela BBC.

O fabricante - Sanofi Pasteur - deixou de fabricar o produto o ano passado, mas garante, porém, que irá partilhar a receita com outros fabricantes. O último lote expira em junho do ano que vem e não há, por enquanto, qualquer substituto "tão eficaz", garante a MSF.

O fabricante está em negociações para a venda da tecnologia do antídoto a outras entidades, mas enquanto não estão finalizadas haverá um número "incontável" de mortes, alerta a MSF.

"A maioria das pessoas que são mordidas por uma cobra não sabem bem que cobra é, pelo que ter um antídoto capaz de combater uma grande número de venenos é realmente importante. Tememos que, sem um antídito disponível, morram pessoas desnecessariamente", avisa Polly Markandya, da organização MSF.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.