sicnot

Perfil

Mundo

Brasil, 4º país do mundo com mais mulheres a casarem até aos 15 anos

O Brasil é o quarto país do mundo com mais casamentos de crianças e adolescentes até aos 15 anos, com 877 mil jovens entre 20 e 24 anos casadas antes dessa idade, segundo um estudo do Instituto Promundo.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Pilar Olivares / Reuters

O país também é o quarto da lista, em números absolutos, com mais raparigas casadas antes dos 18 anos: cerca de três milhões com idades 20 e 24 anos, ou 36%, afirmou ter contraído matrimónio antes de alcançar a maioridade legal, segundo o Instituto, que utilizou estatísticas da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher, de 2006.

O relatório, divulgado na quarta-feira em Brasília, com apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Fundação Ford, também demonstra que pouco mais de 88 mil jovens entre 10 e 14 anos vivem em uniões consensuais no país, tanto civis como religiosas, segundo dados do censo de 2010.

O estudo, pioneiro no país na área de casamentos infantis, analisou especificamente os dois estados brasileiros com mas incidência da prática: o Pará, no norte do país, e o Maranhão, no nordeste.

O Instituto Promundo divulgou que os principais fatores detetados que levam ao casamento antes dos 18 anos são a vontade de um membro da família devido a uma gravidez indesejada, ou para proteger a reputação do adolescente, o desejo de controlar a sexualidade das meninas, a busca por segurança financeira e a vontade da adolescente de sair da casa dos pais, além do desejo dos futuros maridos de se casarem com meninas mais jovens.

O casamento na infância e na adolescência traz consequências para a vida dos jovens, segundo o relatório, incluindo gravidez precoce, atrasos e desafios educacionais, limitações à mobilidade e à construção de redes sociais e exposição à violência do parceiro, principalmente no caso de jovens com maridos mais velhos e controladores.

O relatório também aponta que a presença "ativa e positiva" dos pais diminui a incidência violência sexual e de atividade sexual precoce indesejada, além de contribuir para uma maior autoestima e propensão à escolha de parceiros com comportamentos mais "equitativos em termos de género".

"O casamento infantil prejudica a capacidade das meninas de concretizar suas aspirações e realizar escolhas plenas sobre seu futuro, comprometendo seu bem-estar e desenvolvimento, mesmo quando casam por vontade própria, com o consentimento dos pais ou por problemas financeiros", diz o estudo.


Lusa

  • PS acusa PSD e CDS de falta de agenda política
    1:01

    Caso CGD

    O PS considera o anúncio desta nova comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos um ataque doentio de PSD e CDS ao ministro das Finanças, que visa apenas desviar as atenções dos bons resultados da economia portuguesa. O deputado socialista João Paulo Correia diz que falta agenda política aos partidos de direita.

  • "Fiz coisas de que me envergonho"
    2:31
  • Mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas

    Mundo

    As mulheres heterossexuais têm menos orgasmos que as lésbicas ou bissexuais, ou mesmo que todos os homens hetero, homo ou bissexuais. O estudo que dá conta desta realidade revela também o que fazer para aumentar as hipóteses de uma mulher alcançar um orgasmo.