sicnot

Perfil

Mundo

Caçador que matou jaguar no Equador condenado a seis meses de prisão

Um caçador que matou um jaguar na floresta amazónica do Equador foi condenado a seis meses de prisão, anunciaram hoje dirigentes do país sul-americano, um caso que faz lembrar o abate do leão Cecil no Zimbabué.

© Michaela Rehle / Reuters

O Ministério do Ambiente equatoriano informou hoje que o caçador colocou uma fotografia do animal morto na rede social Facebook.

O homem, identificado como Luis Alfredo O., admitiu ter "alvejado e matado o jaguar, levando-o para a sua casa e distribuindo a carne aos vizinhos".

O governo do Equador em 2008 impôs uma legislação estrita para proteger espécies protegidas, incluindo o jaguar.

A pele do animal foi confiscada pelas autoridades.

Inicialmente, um tribunal tinha imposto uma pena de 10 dias em prisão para o caçador, mas os dirigentes do Ambiente recorreram com sucesso.

"Conseguimos uma sentença maior para a pessoa responsável pela morte intencional de um animal que está em vias de extinção", adiantou fonte ministerial.

A morte do leão Cecil, um animal com um estatuto de proteção, abatido por um dentista dos EUA que participava numa expedição de caça, suscitou uma onda de indignação internacional.

O Zimbabué solicitou aos EUA a extradição do caçador, Walter Palmer, de 55 anos, para ser julgado pela caçada de julho.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. Esta madrugada em Cambrils, cinco suspeitos foram abatidos e outra pessoa acabou por morrer, num segundo ataque. Há quatro detenções confirmadas. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Autoridades acreditam que suspeito do ataque nas Ramblas pertence a célula terrorista
    1:36
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55