sicnot

Perfil

Mundo

Campanha eleitoral arranca em dia de manifestação pela independência catalã

A avenida Meridiana de Barcelona acolhe hoje a manifestação independentista da Diada, evento que este ano coincide com o arranque da campanha eleitoral para as eleições antecipadas na Catalunha, que alguns partidos consideram um plebiscito à independência.

Arquivo

Arquivo

© Albert Gea / Reuters

A manifestação terá como lema 'Via Lliure a la República Catalana' (Via livre para a República Catalã) e começa às 17:14 horas locais (numa referência a 1714, o ano da rendição de Barcelona perante o ataque das tropas de Felipe V, na Guerra da Sucessão Espanhola).

Cada um dos participantes - até quinta-feira já estavam inscritas 360 mil pessoas - levará vestida uma t-shirt branca e uma cartolina de uma determinada cor, para poderem formar um mosaico colorido. A manifestação foi organizada pela Assembleia Nacional Catalã (ANC), que fornecerá o material a cada um dos participantes.

Já com a avenida "cheia" de camisolas brancas será dado um sinal e todos os participantes vão erguer as suas cartolinas, apontando em direção ao Parlamento da Catalunha.

A organização pretende que os participantes se manifestem ao longo de cinco quilómetros, do bairro de Sant Andreu até ao Parque da Ciudadela, onde se encontra o Parlamento catalão.

Cada uma das cores das cartolinas tem um significado e está associada a um local (não só na atual Catalunha, mas também a Comunidade Valenciana e Ilhas Baleares).

As dez cores representam os "eixos" sobre os quais a ANC quer fundar uma República Catalã: rosa claro (regeneração democrática); verde claro (abertura ao mundo); verde forte (bem-estar e justiça social); laranja (diversidade); castanho (solidariedade); rosa forte (igualdade); azul claro (sustentabilidade); azul forte (equilíbrio territorial); vermelho (educação e cultura) e cinzento (inovação).

A manifestação da Diada coincide com o primeiro dia da campanha para as eleições autonómicas da Catalunha.

Os partidos independentistas (a plataforma "Junts pel Sí", do presidente do governo regional Artur Mas) e a CUP (Candidatura de Unidade Popular, extrema-esquerda) consideram que as eleições serão um plebiscito à independência, afirmando que votar neles é votar na separação da Catalunha do resto de Espanha, algo que a atual constituição espanhola não permite.

Também surge num momento em que as sondagens mostram uma Catalunha dividida, com a vantagem dos partidos independentistas a diminuir. A maioria absoluta que colocaram como condição para avançar unilateralmente está agora "presa" por dois ou mesmo apenas um deputado.

Artur Mas, considera uma maioria parlamentar como condição essencial para avançar um processo de independência no prazo de ano e meio. As sondagens mostram que há a possibilidade de os partidos do "Sim" obterem mais deputados, mas menos votos que todos os outros partidos.

Antes da manifestação, Artur Mas e outros elementos da plataforma independentista darão uma conferência de imprensa para explicar o processo à imprensa internacional.

Lusa

  • PJ faz buscas no Benfica sobre o caso dos emails

    Desporto

    A Polícia Judiciária está a fazer buscas em instações no Benfica devido ao caso dos emails divulgado pelo diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques. Contactado pela SIC, o clube da Luz disse primeiro desconhecer a ação, mas mais tarde confirmou a presença da PJ.

    Em atualização

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do último álbum, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.