sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 800 mulheres e perto de 7.700 recém-nascidos morrem diariamente no mundo

Cerca de 800 mulheres e perto de 7.700 recém-nascidos morrem diariamente no mundo devido a complicações relacionadas com a gravidez, o parto e o período pós-parto, divulgou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

© Mansi Thapliyal / Reuters

A agência das Nações Unidas referiu ainda que diariamente outras 7.300 mulheres têm nados-mortos, uma situação que, segundo a organização, poderia ser evitada com a aplicação de medidas básicas de saúde materno-infantil.

Estes números foram hoje lançados na apresentação em Genebra, Suíça, da nova Estratégia Mundial para a Saúde das Mulheres, Crianças e Adolescentes, que será lançada oficialmente no próximo dia 26 de setembro durante a Assembleia-geral da ONU.

Conseguir uma redução radical dos níveis de mortalidade é um dos principais objetivos deste novo documento, que defende a aplicação de medidas urgentes e específicas que visem estes três grupos que continuam a ser negligenciados pela sociedade atual, principalmente nas comunidades mais pobres do mundo.

A OMS reconheceu os progressos alcançados nas últimas duas décadas para melhorar a saúde materna, como por exemplo a redução em 40% da taxa de mortalidade de mulheres grávidas.

No entanto, a agência das Nações Unidas salientou que ainda há muito por fazer, especialmente no reforço dos sistemas de saúde e na compreensão cultural e social sobre a importância de ter uma gravidez saudável.

Um dos pontos-chave desta área passa pelo investimento em programas de educação sexual e de planeamento familiar, mas também por um acompanhamento regular em todas as fases de gestação.

No que diz respeito às crianças, o índice de mortalidade entre menores com menos de cinco anos verificou uma redução de 53% desde 1990.

Mesmo assim, cerca de 16 mil crianças com menos de cinco anos continuam a morrer diariamente em todo o mundo, sobretudo na África subsaariana e no sudeste asiático, mas também em países que enfrentam conflitos, calamidades naturais ou grandes deslocações.

Mais de 70% destas mortes ocorrem no primeiro ano de vida.

As respostas para este cenário passam, segundo a OMS, pela prevenção das doenças mais mortíferas entre as crianças, como a pneumonia e a diarreia, que podem ser evitadas através de vacinação.

Ao nível dos adolescentes, a organização internacional defendeu intervenções adaptadas a cada faixa etária que ataquem os principais problemas deste grupo, como é o caso da gravidez precoce.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.