sicnot

Perfil

Mundo

México exige "responsabilidades" ao Egito após morte de turistas "por erro"

O Governo do México entregou hoje uma nota diplomática de protesto ao Egito pelo ataque "por erro" contra um grupo de turistas mexicanos perto do Cairo, na qual solicita uma investigação "rápida e exaustiva" e exige "responsabilidades".

© Amr Dalsh / Reuters

No domingo, 12 pessoas foram mortas, incluindo pelo menos dois mexicanos, e dez ficaram feridas num ataque aéreo de aviões e helicópteros militares egípcios que visou um grupo de turistas numa região oeste do deserto.

Já o sindicato de guias turísticos do Egito assinalou em comunicado que entre os 12 mortos estão oito cidadãos mexicanos, enquanto o primeiro-ministro interino do Egito, Ibrahim Mehleb, assegurava à agência noticiosa Efe que estão a ser fornecidos "os máximos cuidados" médicos aos feridos, após uma visita ao hospital onde estão internados. "Estamos muito tristes. É algo que afeta cada egípcio", disse.

Previamente, e em conferência de imprensa na Cidade do México, a chefe da diplomacia mexicana, Claudia Ruis Massieu, adiantou que o Governo egípcio lhe comunicou ter sido constituído um "comité de investigação" dirigido pelo primeiro-ministro em funções.

"Desde ontem [domingo] que estou em contacto com o embaixador do Egito no México, Yasser Shaban, e esta manhã recebi-o no ministério, onde foi entregue a nota diplomática na qual o Governo mexicano expressa a sua profunda consternação por estes deploráveis acontecimentos", afirmou a ministra.

Claudia Massieu exigiu a realização de uma "investigação expedita, exaustiva e de fundo, e que se proporcione sem demora uma explicação objetiva que estabeleça os factos e as responsabilidades que daí derivarem".

No protesto diplomático as autoridades mexicanas solicitam aos responsáveis egípcios que "forneçam a mais alta prioridade e urgência ao esclarecimento deste assunto, concedam as facilidades necessárias à embaixada do México no Cairo e ao seu pessoal no desempenho das suas funções e propiciem todos os apoios para o futuro repatriamento" das vítimas.

A ministra revelou ainda durante a conferência de imprensa que as forças de segurança egípcias atacaram "por erro" os turistas mexicanos através de um ataque aéreo e com bombas, segundo o testemunho dos sobreviventes.

As vítimas foram alvo "de um ataque aéreo com bombas lançadas desde um avião e helicópteros", disse, antes de esclarecer que até ao momento só estava confirmada a morte de dois mexicanos e que outros seis estavam hospitalizados e em situação "estável".

Por sua vez, o Ministério do Interior egípcio confirmou que pelo menos 12 pessoas morreram e dez ficaram feridas no ataque, entre mexicanos e egípcios que integravam o grupo, e indicou que a polícia e o exército "confundiram os turistas com terroristas".

O ataque ocorreu no domingo no oásis de Bahareya, no deserto ocidental do Egito, onde os turistas, que tinham chegado ao Cairo na sexta-feira, tinham parado para comer.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.

  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia.