sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Norte anuncia lançamento de satélite espacial

A Coreia do Norte anunciou hoje que está a finalizar os preparativos para lançar um satélite espacial, uma operação considerada um ensaio disfarçado para o lançamento de mísseis, que poderia gerar um novo conflito com a comunidade internacional.

Reuters

O país "está a avançar na fase final de desenvolvimento de um novo satélite de observação da Terra para o prognóstico do tempo e outros propósitos", indicou o diretor da Administração Nacional para o Desenvolvimento Aeroespacial da Coreia do Norte, num comunicado publicado pela agência estatal KCNA.

O diretor, cujo nome foi omitido pela agência, não apresentou uma data concreta e simplesmente indicou que "o mundo vai observar como se elevam ao céu uma série de satélites nos momentos e lugares determinados pelo Comité Central do Partido dos Trabalhadores".

Acredita-se que o próximo lançamento da Coreia do Norte vai acontecer perto do dia 10 de outubro, quando se celebra o 70.º aniversário da fundação do Partido dos Trabalhadores.

O diretor salientou, no entanto, que este lançamento "é um projeto de paz, em linha com o plano de desenvolvimento científico e tecnológico da DPRK [Coreia do Norte] para a construção de uma potência económica e melhoramento do níveo de vida do povo".

Ainda assim, a operação pode fazer prever um novo conflito entre Pyongyang e a comunidade internacional.

Colocar um satélite em órbita requer o lançamento de um foguetão de longo alcance, pelo que os Estados Unidos e outros países interpretam este tipo de ações da Coreia do Norte como ensaios disfarçados para o lançamento de um míssil intercontinental.

A Coreia do Sul já reagiu a este anúncio dizendo que qualquer lançamento de satélite pelo Norte será considerado um teste de míssil balístico e uma provocação "grave" que viola as resoluções da ONU.

"Qualquer lançamento de um míssil balístico pela Coreia do Norte é um grave ato de provocação", disse o porta-voz do Ministério da Defesa, Kim Min-Seok.

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.