sicnot

Perfil

Mundo

Presidente brasileira diz estar "atenta" a tentativas de gerar instabilidade

A Presidente brasileira, Dilma Rousseff, afirmou hoje que está "atenta" às tentativas de "gerar instabilidade" no país, em declarações a jornalistas em Brasília, citadas pela imprensa local.

© Ueslei Marcelino / Reuters

"O Brasil conquistou uma democracia a duras penas, eu sei o que estou dizendo, quantas penas duras foi para conquistar a democracia. Nós não vamos, em momento algum, concordar, ou, faremos tudo para impedir que processos não democráticos cresçam e se fortaleçam", afirmou Rousseff, segundo a Folha de São Paulo.

A Presidente afirmou que os grupos de "pessimistas" são os únicos que ganham com a crise. No último dia 10, um grupo de parlamentares de partidos de oposição e membros descontentes da coligação criou um movimento que defende a impugnação do mandato da Presidente, e lançaram um abaixo-assinado na Internet para angariar apoiantes.

Outro grupo de políticos, de partidos da coligação de Governo, lançou hoje uma declaração em "defesa da democracia" como reação ao manifesto da oposição e para demonstrar apoio à Presidência de Rousseff.

A chefe do Governo também defendeu as novas medidas de austeridade anunciadas na segunda-feira, que incluem corte de gastos no valor de 6.000 milhões de euros e aumento de impostos, e disse que a reforma administrativa será anunciada até ao próximo dia 23, com cortes de ministérios e cargos de confiança.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55
  • Democratas não venciam no Alabama há 27 anos
    1:50
  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.