sicnot

Perfil

Mundo

Professora afegã distinguida com prémio Nansen para os Refugiados 2015

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) distinguiu hoje a professora afegã Aqeela Asifi, que se dedicou à educação de raparigas refugiadas no Paquistão, com o prémio Nansen para os Refugiados 2015.

Reuters

Aqeela Asifi, de 49 anos, é professora de raparigas afegãs refugiadas na aldeia de Kot Chandana, em Mianwali, no Paquistão.

Com esta distinção, o ACNUR reconheceu a "dedicação corajosa e incansável" de Aqeela Asifi à missão de educar raparigas afegãs.

"Apesar dos escassos recursos e dos desafios culturais, Asifi conseguiu que perto de mil refugiadas tenham concluído a educação primária, acrescentou a organização em comunicado.

O alto comissário da ONU para os refugiados, António Guterres, declarou que "pessoas como Aqeela Asifi compreendem que as crianças refugiadas de hoje vão determinar o futuro dos seus países e o futuro do mundo (...) Investir na educação dos refugiados permitirá às crianças romper o ciclo de instabilidade e conflito".

Asifi era já professora quando foi obrigada a fugir de Cabul, com a família, em 1992.

Em Kot Chandana, não existiam escolas para raparigas, devido às tradições culturais que mantinham as mulheres em casa, e foi aí que Asifi começou a ensinar um punhado de alunas, numa escola improvisada sob uma tenda.

Para Aqeela Asifi, é preciso compreender que educar as raparigas desta geração vai transformar as oportunidades da geração seguinte.

"Quando se têm mães que frequentaram a escola, quase de certeza as futuras gerações serão educadas. Por isso, se educamos raparigas, educamos gerações. Desejava que um dia o Afeganistão fosse recordado não pela guerra, mas pelo elevado padrão de educação", afirmou a professora.

O Afeganistão é a maior e mais longa crise de refugiados no mundo. Cerca de 2,6 milhões de afegãos vivem presentemente no exílio e mais de metade são crianças.

O acesso à educação é vital para o êxito de uma repatriação, reinstalação ou integração local dos refugiados. No entanto, dados mundiais apontam para que apenas uma em cada duas crianças refugiadas consegue frequentar a escola primária e apenas uma em cada quatro frequenta o ensino secundário.

Para os refugiados afegãos no Paquistão, esta é uma realidade ainda mais longínqua: 80% das crianças não frequenta a escola.

O prémio Nansen para os Refugiados do ACNUR distingue o trabalho desenvolvido em prol das pessoas e comunidades forçadas a abandonar os seus países.

Entre os laureados contam-se a antiga primeira-dama norte-americana (1933-1945) Eleanor Roosevelt, a antiga primeira-dama moçambicana (1975-1986) Graça Machel e o cantor lírico italiano (1935-2007) Luciano Pavarotti.

A cerimónia de entregue do prémio vai realizar-se a 05 de outubro, em Genebra.

  • Como não perder Barack e Michelle Obama nas redes sociais

    Mundo

    Sair da Casa Branca implica mais que reunir objetos físicos: é preciso guardar também os tweets, os posts e todo o conteúdo digital produzido nos últimos oito anos pelo Presidente dos EUA e pela primeira-dama. A equipa de Barack Obama já preparou tudo para que nada se perca do seu legado digital.

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.