sicnot

Perfil

Mundo

Professora afegã distinguida com prémio Nansen para os Refugiados 2015

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) distinguiu hoje a professora afegã Aqeela Asifi, que se dedicou à educação de raparigas refugiadas no Paquistão, com o prémio Nansen para os Refugiados 2015.

Reuters

Aqeela Asifi, de 49 anos, é professora de raparigas afegãs refugiadas na aldeia de Kot Chandana, em Mianwali, no Paquistão.

Com esta distinção, o ACNUR reconheceu a "dedicação corajosa e incansável" de Aqeela Asifi à missão de educar raparigas afegãs.

"Apesar dos escassos recursos e dos desafios culturais, Asifi conseguiu que perto de mil refugiadas tenham concluído a educação primária, acrescentou a organização em comunicado.

O alto comissário da ONU para os refugiados, António Guterres, declarou que "pessoas como Aqeela Asifi compreendem que as crianças refugiadas de hoje vão determinar o futuro dos seus países e o futuro do mundo (...) Investir na educação dos refugiados permitirá às crianças romper o ciclo de instabilidade e conflito".

Asifi era já professora quando foi obrigada a fugir de Cabul, com a família, em 1992.

Em Kot Chandana, não existiam escolas para raparigas, devido às tradições culturais que mantinham as mulheres em casa, e foi aí que Asifi começou a ensinar um punhado de alunas, numa escola improvisada sob uma tenda.

Para Aqeela Asifi, é preciso compreender que educar as raparigas desta geração vai transformar as oportunidades da geração seguinte.

"Quando se têm mães que frequentaram a escola, quase de certeza as futuras gerações serão educadas. Por isso, se educamos raparigas, educamos gerações. Desejava que um dia o Afeganistão fosse recordado não pela guerra, mas pelo elevado padrão de educação", afirmou a professora.

O Afeganistão é a maior e mais longa crise de refugiados no mundo. Cerca de 2,6 milhões de afegãos vivem presentemente no exílio e mais de metade são crianças.

O acesso à educação é vital para o êxito de uma repatriação, reinstalação ou integração local dos refugiados. No entanto, dados mundiais apontam para que apenas uma em cada duas crianças refugiadas consegue frequentar a escola primária e apenas uma em cada quatro frequenta o ensino secundário.

Para os refugiados afegãos no Paquistão, esta é uma realidade ainda mais longínqua: 80% das crianças não frequenta a escola.

O prémio Nansen para os Refugiados do ACNUR distingue o trabalho desenvolvido em prol das pessoas e comunidades forçadas a abandonar os seus países.

Entre os laureados contam-se a antiga primeira-dama norte-americana (1933-1945) Eleanor Roosevelt, a antiga primeira-dama moçambicana (1975-1986) Graça Machel e o cantor lírico italiano (1935-2007) Luciano Pavarotti.

A cerimónia de entregue do prémio vai realizar-se a 05 de outubro, em Genebra.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.