sicnot

Perfil

Mundo

Professora afegã distinguida com prémio Nansen para os Refugiados 2015

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) distinguiu hoje a professora afegã Aqeela Asifi, que se dedicou à educação de raparigas refugiadas no Paquistão, com o prémio Nansen para os Refugiados 2015.

Reuters

Aqeela Asifi, de 49 anos, é professora de raparigas afegãs refugiadas na aldeia de Kot Chandana, em Mianwali, no Paquistão.

Com esta distinção, o ACNUR reconheceu a "dedicação corajosa e incansável" de Aqeela Asifi à missão de educar raparigas afegãs.

"Apesar dos escassos recursos e dos desafios culturais, Asifi conseguiu que perto de mil refugiadas tenham concluído a educação primária, acrescentou a organização em comunicado.

O alto comissário da ONU para os refugiados, António Guterres, declarou que "pessoas como Aqeela Asifi compreendem que as crianças refugiadas de hoje vão determinar o futuro dos seus países e o futuro do mundo (...) Investir na educação dos refugiados permitirá às crianças romper o ciclo de instabilidade e conflito".

Asifi era já professora quando foi obrigada a fugir de Cabul, com a família, em 1992.

Em Kot Chandana, não existiam escolas para raparigas, devido às tradições culturais que mantinham as mulheres em casa, e foi aí que Asifi começou a ensinar um punhado de alunas, numa escola improvisada sob uma tenda.

Para Aqeela Asifi, é preciso compreender que educar as raparigas desta geração vai transformar as oportunidades da geração seguinte.

"Quando se têm mães que frequentaram a escola, quase de certeza as futuras gerações serão educadas. Por isso, se educamos raparigas, educamos gerações. Desejava que um dia o Afeganistão fosse recordado não pela guerra, mas pelo elevado padrão de educação", afirmou a professora.

O Afeganistão é a maior e mais longa crise de refugiados no mundo. Cerca de 2,6 milhões de afegãos vivem presentemente no exílio e mais de metade são crianças.

O acesso à educação é vital para o êxito de uma repatriação, reinstalação ou integração local dos refugiados. No entanto, dados mundiais apontam para que apenas uma em cada duas crianças refugiadas consegue frequentar a escola primária e apenas uma em cada quatro frequenta o ensino secundário.

Para os refugiados afegãos no Paquistão, esta é uma realidade ainda mais longínqua: 80% das crianças não frequenta a escola.

O prémio Nansen para os Refugiados do ACNUR distingue o trabalho desenvolvido em prol das pessoas e comunidades forçadas a abandonar os seus países.

Entre os laureados contam-se a antiga primeira-dama norte-americana (1933-1945) Eleanor Roosevelt, a antiga primeira-dama moçambicana (1975-1986) Graça Machel e o cantor lírico italiano (1935-2007) Luciano Pavarotti.

A cerimónia de entregue do prémio vai realizar-se a 05 de outubro, em Genebra.

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".