sicnot

Perfil

Mundo

Tsipras envia mensagem de alento a Portugal e Espanha no comício de encerramento

O líder do Syriza, Alexis Tsipras, encerrou hoje a campanha eleitoral para as legislativas de domingo na Grécia com um discurso combativo e uma mensagem de alento a Espanha e Portugal, onde também decorrem eleições em 2015.

© Alkis Konstantinidis / Reuter

"Imagine-se o que se passará se o primeiro-ministro grego tiver a seu lado Pablo [Iglesias] em Espanha, Gerry Adams na Irlanda e um primeiro-ministro progressista em Portugal", afirmou Tsipras, antes de salientar que o resultado na Grécia é de "crucial importância" para as forças progressistas na Europa.

"No domingo o povo dirá de novo 'não' ao velho sistema que representa a Nova Democracia de [Vangelis] Meimarakis", disse o líder do partido da esquerda grega no final da campanha perante milhares de pessoas na praça Syntagmam centro de Atenas.

O ex-primeiro-ministro grego fazia uma alusão ao 'Não' da população grega à proposta de resgate dos credores internacionais e que foi referendada, e rejeitada, em 5 de julho, mas que o Governo acabou depois por aceitar com algumas alterações.

Num discurso combativo, refere a agência Efe, o líder do principal partido da esquerda grega pediu um mandato forte para contrariar "a intenção dos conservadores em converter o nosso governo num parêntesis" da história.

No domingo a Grécia celebre "um novo referendo" e a pergunta é se a Grécia quer andar em frente ou para trás, disse Tsipras, antes de acrescentar que um voto claro poderá converter-se numa mensagem forte para os países que também celebram legislativas em 2015, Portugal; Espanha e Irlanda.

Entre os políticos que compareceram para apoiar Tsipras incluiu-se o líder do Podemos espanhol, Pablo Iglesias, que subiu ao palco para se dirigir ao eleitorado grego em espanhol.

No seu discurso, Tsipras insistiu ainda para que os indecisos não fiquem em casa porque "é necessário que não se desperdice um único voto".

"Não deixemos que a abstenção ganhe, porque a abstenção não é uma decisão antissistema, é o que deseja a Nova Democracia", assinalou, para acrescentar que "cada voto que se perde para o Syriza é um voto de confiança na corrupção".

Tsipras dirigiu-se em concreto a todos os votantes que optaram por votar Syriza em janeiro e que as sondagens colocam agora na faixa dos indecisos, e assegurou-lhes que "por dececionados que estejam" não devem esquecer que se poderá vencer um dia e o atual combate político constitui uma "longa batalha".

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC