sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da transição do Burkina Faso libertado por militares golpistas

O Presidente do regime de transição do Burkina Faso, Michel Kafando, mantido como refém desde quarta-feira pelos militares que tomaram o poder no país, foi libertado na quinta-feira à noite, anunciaram hoje os golpistas.

© Joe Penney / Reuters

"Em sinal de apaziguamento e pelo interesse geral, o conselho nacional para a democracia decidiu pela libertação de ministros e pela libertação de Michel Kafando", indicaram os golpistas num comunicado.

Somente o primeiro-ministro, Isaac Zida, não foi libertado e permanece "em prisão domiciliária", disse aos jornalistas o novo líder do Burkina Faso, o general Gilbert Diendéré, que se assumiu como chefe do golpe de Estado.

Gilbert Diendéré justificou, na quinta-feira, a ação devido a "uma grave situação de insegurança pré-eleitoral, numa entrevista ao semanário Jeune Afrique.

O antigo chefe do Estado-maior do ex-Presidente Blaise Compaoré, deposto há um ano depois de 27 anos no poder, também afirmou que "medidas de exclusão (foram) tomadas pelas autoridades da transição" e que "foi por isso que os seus homens passaram à ação".

"As eleições serão realizadas", prometeu o líder golpista.

"Nós desejamos discutir com todos os atores políticos para reiniciar em bons fundamentos. As eleições acontecerão, mas nós devemos primeiro concertar-nos", explicou.

Diendéré afirmou que não fazem uma frente comum com o Congresso para o Progresso e a Democracia (CDP), o partido de Blaise Compaoré, excluído das eleições pelas autoridades da transição.

Os dois candidatos favoritos na eleição presidencial de 11 de outubro no Burkina Faso, Zephirin Diabré et Roch Marc Christian Kaboré, condenaram o golpe de Estado no país.

Os candidatos convocaram os seus aliados para defenderem a democracia, exigem a libertação dos membros do Governo de transição, não aceitam qualquer perturbação no calendário eleitoral e reiteram o apoio ao Governo que foi destituído, exigindo o regresso da ordem constitucional.

Dois chefes de Estado africanos são esperados hoje em Ouagadougou para se encontrarem com Gilbert Diendéré, o Presidente senegalês, Macky Sall, líder em exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), e o seu homólogo do Benim, Thomas Boni Yayi.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.