sicnot

Perfil

Mundo

Dissidentes denunciam detenções e prisões em Cuba durante a visita do papa

Alguns dissidentes cubanos denunciaram hoje dezenas de detenções e de prisões domiciliárias de opositores ao regime de Raúl Castro, na sequência da chegada do papa Francisco a Cuba, onde este domingo celebrou a sua primeira missa

© Tony Gentile / Reuters

A líder do movimento dissidente Damas de Branco, Berta Soler, disse à agência espanhola de notícias EFE que foi detida, temporariamente, no sábado, antes da chegada de Francisco, e também durante o dia de hoje, quando se encontrava com mais 22 elementos do movimento e com o seu marido, o ex-preso político Ángel Moya, para assistir à missa papal.

"Saímos da sede do [movimento] 23 Damas de Branco e [Ángel] Moya às 05:00 da manhã para poder chegar à praça [onde o papa celebrou a missa] e fomos todos presos", contou Berta Soler, via telefone, já em casa e depois de ter estado detida várias horas numa esquadra de Alamar, na sua zona de residência.

A dissidente acrescentou que recebeu relatos de prisões semelhantes por parte dos seus companheiros da província de Matanzas, Villa Clara, Guantánamo, assim como de Holguín e Santiago de Cuba, as outras duas dioceses que o papa Francisco vai visitar durante a sua estada de quatro dias na ilha.

Soler disse ainda que tinha sido convidada por um funcionário da Nunciatura para saudar a chegada do papa, no sábado, na embaixada do Vaticano em Havana, onde Francisco está hospedado nos dois primeiros dias de visita.

O movimento Damas de Branco é um grupo formado pelas mulheres e filhas dos presos políticos que constituíram o grupo de 75 homens presos na "Primavera Negra" de 2003 em Cuba.

Na sua primeira missa em solo cubano perante milhares de pessoas, o papa Francisco pediu hoje para que se defendam os mais fracos da sociedade, sublinhando que o mais importante "é servir o povo e não as ideologias".

"O serviço nunca é ideológico, uma vez que não se serve de ideias, mas antes as pessoas", disse o papa, perante o Presidente de Cuba, Raúl Castro, e perto do grande símbolo exposto neste local: a imagem do líder revolucionário Ernesto "Che" Guevara colocada sobre a fachada do edifício do Ministério do Interior.

O papa, que seguiu depois no papamóvel para saudar os milhares de presentes, que aguardaram desde madrugada, disse ainda na sua homilia que o povo cubano "tem vocação de grandeza" e que a deve cuidar, sobretudo ao serviço dos mais frágeis.

Francisco, terceiro papa a celebrar missa na Praça da Revolução, em Havana, voltou a apelar à reconciliação entre Cuba e os Estados Unidos da América.

Lusa

  • 950 militares cercam a Rocinha, no Rio de Janeiro
    2:36
  • Terra volta a termer no México

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6,2, na escala de Richter, foi registado às 05h30, hora local, 23h30, em Lisboa. Até ao momento não há registo de vítimas ou danos materiais.

  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04

    Mundo

    O Presidente francês volta hoje a ser alvo de manifestações contra a reforma laboral. Os protestos foram organizados por Jean Luc Melenchon, o candidato da extrema-esquerda que concorreu contra Macron.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.