sicnot

Perfil

Mundo

EUA repatriam saudita que terá sido guarda-costas de Bin Laden

Um detido saudita, acusado pelos militares dos EUA de ter sido guarda-costas de Osama bin Laden, foi repatriado, depois de passar mais de uma década detido em Guantanamo, informou esta terça-feira o Pentágono.

Osama Bin Laden (Arquivo)

Osama Bin Laden (Arquivo)

© STR New / Reuters

Abdul Shalabi, de 39 anos, tinha sido capturado primeiro por forças paquistanesas, em dezembro de 2001, e transferido no mês seguinte para Guantanamo.

Mas em junho deste ano, um painel de acompanhamento "determinou que a continuação da detenção de Abdul Shalabi já não é necessária para proteger da eventualidade de uma ameaça significativa à segurança dos EUA", afirmou o assessor de imprensa do Pentágono, Peter Cook.

Shalabi, que esteve em greve de fome por um período prolongado, vai ser libertado no âmbito de um programa do governo saudita de reabilitação de ex-detidos e vai ser vigiado nos próximos anos.

A libertação de Shalabi reduz para 114 o número de detidos em Guantanamo.

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.