sicnot

Perfil

Mundo

EUA repatriam saudita que terá sido guarda-costas de Bin Laden

Um detido saudita, acusado pelos militares dos EUA de ter sido guarda-costas de Osama bin Laden, foi repatriado, depois de passar mais de uma década detido em Guantanamo, informou esta terça-feira o Pentágono.

Osama Bin Laden (Arquivo)

Osama Bin Laden (Arquivo)

© STR New / Reuters

Abdul Shalabi, de 39 anos, tinha sido capturado primeiro por forças paquistanesas, em dezembro de 2001, e transferido no mês seguinte para Guantanamo.

Mas em junho deste ano, um painel de acompanhamento "determinou que a continuação da detenção de Abdul Shalabi já não é necessária para proteger da eventualidade de uma ameaça significativa à segurança dos EUA", afirmou o assessor de imprensa do Pentágono, Peter Cook.

Shalabi, que esteve em greve de fome por um período prolongado, vai ser libertado no âmbito de um programa do governo saudita de reabilitação de ex-detidos e vai ser vigiado nos próximos anos.

A libertação de Shalabi reduz para 114 o número de detidos em Guantanamo.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.