sicnot

Perfil

Mundo

EUA repatriam saudita que terá sido guarda-costas de Bin Laden

Um detido saudita, acusado pelos militares dos EUA de ter sido guarda-costas de Osama bin Laden, foi repatriado, depois de passar mais de uma década detido em Guantanamo, informou esta terça-feira o Pentágono.

Osama Bin Laden (Arquivo)

Osama Bin Laden (Arquivo)

© STR New / Reuters

Abdul Shalabi, de 39 anos, tinha sido capturado primeiro por forças paquistanesas, em dezembro de 2001, e transferido no mês seguinte para Guantanamo.

Mas em junho deste ano, um painel de acompanhamento "determinou que a continuação da detenção de Abdul Shalabi já não é necessária para proteger da eventualidade de uma ameaça significativa à segurança dos EUA", afirmou o assessor de imprensa do Pentágono, Peter Cook.

Shalabi, que esteve em greve de fome por um período prolongado, vai ser libertado no âmbito de um programa do governo saudita de reabilitação de ex-detidos e vai ser vigiado nos próximos anos.

A libertação de Shalabi reduz para 114 o número de detidos em Guantanamo.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida