sicnot

Perfil

Mundo

Rins criados em laboratório funcionam em animais

Rins produzidos em laboratório com células estaminais de porco e de rato e transplantados para estes animais, funcionaram perfeitamente produzindo urina e passando-a para a bexiga tal e qual como rins normais.

© Jason Reed / Reuters

Um dos grandes problemas dos rins artificiais tem sido a passagem da urina para a bexiga. A equipa de cientistas da Jikei University School of Medicine em Tóquio conseguiu ultrapassar esta dificuldade produzindo também com as células estaminais um "tubo extra de drenagem" - uréter.

O rim e o uréter artificais foram então transplantados para um rato. Quando fizeram a ligação entre o órgão artificial e a bexiga do rato, funcionou perfeitamente. Oito semanas após o transplante, todo o sistema continuava a funcionar bem.

Os cientistas repetiram o processo com um mamífero maior - um porco - e obtiveram os mesmos bons resultados, explicados na revista científica PNAS.

Embora esteja ainda longe este tipo de experiência em seres humanos, esta investigação é um grande avanço para a criação de órgãos artificiais em laboratório que possam ser transplantados para as pessoas.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.