sicnot

Perfil

Mundo

Rins criados em laboratório funcionam em animais

Rins produzidos em laboratório com células estaminais de porco e de rato e transplantados para estes animais, funcionaram perfeitamente produzindo urina e passando-a para a bexiga tal e qual como rins normais.

© Jason Reed / Reuters

Um dos grandes problemas dos rins artificiais tem sido a passagem da urina para a bexiga. A equipa de cientistas da Jikei University School of Medicine em Tóquio conseguiu ultrapassar esta dificuldade produzindo também com as células estaminais um "tubo extra de drenagem" - uréter.

O rim e o uréter artificais foram então transplantados para um rato. Quando fizeram a ligação entre o órgão artificial e a bexiga do rato, funcionou perfeitamente. Oito semanas após o transplante, todo o sistema continuava a funcionar bem.

Os cientistas repetiram o processo com um mamífero maior - um porco - e obtiveram os mesmos bons resultados, explicados na revista científica PNAS.

Embora esteja ainda longe este tipo de experiência em seres humanos, esta investigação é um grande avanço para a criação de órgãos artificiais em laboratório que possam ser transplantados para as pessoas.

  • Pelo menos 2 mortos em Guadalupe à passagem do furacão Maria

    Mundo

    A passagem na terça-feira do furacão Maria pelo arquipélago francês de Guadalupe, nas Caraíbas, provocou a morte de duas pessoas, indicou o governo. Em declarações à Rádio RCI, Eric Maire, delegado do governo, disse que um homem morreu devido à queda de uma árvore, e que outra pessoa foi encontrada morta junto ao mar.

  • Pistolas Nerf podem causar graves lesões nos olhos

    Mundo

    As balas das pistolas Nerf, quando atingem os olhos, podem causar graves lesões. O aviso é de um grupo de médicos de Londres, que recomenda a utilização de óculos protetores e o aumento da idade mínima para a utilização dos brinquedos.

    SIC

  • Investigadores descobrem como transformar gordura "má" em gordura "boa"

    Mundo

    Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington, Estados Unidos, descobriu como converter a gordura corporal "má" em gordura "boa", permitindo queimar mais calorias e atrasar o aumento de peso, num estudo conduzido em ratos. Estes resultados abrem caminho para a possibilidade de desenvolver tratamentos mais eficazes para a obesidade e para a diabetes associada ao aumento de peso em pessoas, segundo os autores.