sicnot

Perfil

Mundo

Beckham e Unicef vão levar a voz das crianças à ONU

O ex-futebolista, e agora embaixador de Boa Vontade da UNICEF, David Beckham apresentou hoje, em conjunto com a organização, um sistema digital para fazer com que mensagens de crianças cheguem à Organização das Nações Unidas (ONU).

O antigo futebolista internacional inglês David Beckham com o filho Romeo.

O antigo futebolista internacional inglês David Beckham com o filho Romeo.

© Suzanne Plunkett / Reuters

Este sistema, desenvolvido pela Google, vai permitir à UNICEF mostrar mensagens de crianças e jovens que expressam as suas preocupações e aspirações aos 150 chefes de estado e governo presentes nas assembleias da ONU.

"Quero um mundo onde as crianças possam crescer e estejam seguras da guerra, violência, pobreza e doenças. Um mundo onde cada criança tenha oportunidades justas. Espero que toda a gente se junte a mim a pedir aos líderes mundiais para colocar as crianças, principalmente as mais desfavorecidas, no centro dos novos objetivos globais", afirmou Beckham na véspera da reunião que vai decidir a agenda da ONU para os próximos 15 anos.

O ex-futebolista, que trabalha em conjunto com a UNICEF há mais de 10 anos, recordou ainda que o ano de 2014 "foi um dos mais devastadores para as crianças", com mais de 15 milhões expostas a violência extrema.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, assegurou que a agenda de 2030 "foi criada com a ajuda das vozes dos jovens" e adicionou ainda que "o mundo deve agora fazer mais para envolver os jovens na realização dos objetivos" globais.

De acordo com a ONU, apesar dos progressos conseguidos nos últimos 15 anos, cerca de seis milhões de crianças, com menos de cinco anos, morrem todos os anos por causas evitáveis e mais de 120 milhões de crianças e adolescentes não vão à escola.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".

  • O regresso a casa depois do incêndio no Sardoal
    2:43
  • Cerca de 20 mil portugueses vivem em Barcelona
    1:44