sicnot

Perfil

Mundo

Estudo tenta explicar desejos durante a gravidez

Um estudo do investigador português Carlos Ribeiro mostra que as moscas da fruta partilham o desejo humano de sal durante a gravidez, com o paladar a sofrer as primeiras alterações e o autor quer agora perceber as mudanças no cérebro.

© Regis Duvignau / Reuters

O estudo é publicado hoje na revista científica Current Biology e abre portas a outras investigações, nomeadamente a respostas como o que leva as pessoas a preferir um alimento a outro, a desejar algo específico, ou a forma como a alimentação controla o envelhecimento.

Provado, segundo o estudo, que a mosca da fruta reage como os humanos na questão do sal o investigador, em declarações à Lusa, explicou que o próximo passo é entender o processo no cérebro. "Como é que o paladar do sal é controlado? O próximo passo é isso.", disse, explicando que a mosca da fruta é uma excelente via para fazer experiências, que não se podem fazer em humanos.

Carlos Ribeiro é investigador principal do programa de Neurociências da Fundação Champalimaud e trabalha nomeadamente na área do comportamento, metabolismo e nutrição, no sentido de perceber os processos cerebrais de decisão ao nível da alimentação.

Nesta investigação quer perceber quais os mecanismos no cérebro que leva a esse desejo de sal, que mudanças acontecem, quais os neurónios que mudam, e se usar para isso a mosca da fruta poderá chegar aos humanos, explicou à Lusa, acrescentando: "os problemas da nutrição são muito complicados" e o cérebro é tão complexo que é importante pelo menos saber a área onde ir procurar respostas.

"Quando nos apetece algo específico é porquê? É uma reação específica do cérebro. Os insetos controlam rigorosamente as proteínas que comem e os humanos também. Como é que isso funciona, e porque é que às vezes não funciona?", questionou o investigador.

Segundo a Fundação Champalimaud, num comunicado sobre o estudo, os desejos durante a gravidez podem estar relacionados com as necessidades nutricionais do feto, especialmente para nutrientes como as proteínas e o sal.

"Através de uma série de experiências, os investigadores revelaram, pela primeira vez, que as moscas partilham de facto a tendência dos mamíferos para um consumo superior de sal durante a gravidez, e demonstraram ainda que níveis mais elevados de sal na dieta resultam num maior número de descendentes", diz o comunicado, acrescentando: "Verificámos que existe uma correlação direta entre a quantidade de sal na dieta e a quantidade de ovos que as moscas conseguem produzir".

Carlos Ribeiro diz que o sal parecer ser muito importante a muitas espécies, de moscas a elefantes ou a humanos, o que "sugere a existência de princípios biológicos universais subjacentes a este comportamento e que poderão ser identificados em diferentes espécies."

O cérebro da mosca, diz o estudo, parece conseguir perceber quando é necessário mais sal para produzir ovos e, por isso, automaticamente muda a forma como o animal perceciona esta necessidade, levando a mosca a ingerir maiores quantidades de sal. E como disse Carlos Ribeiro conhecer os mecanismos cerebrais na mosca é meio caminho andado para entender os dos humanos.

Lusa

  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52