sicnot

Perfil

Mundo

Guerra de bandeiras na Câmara de Barcelona aquece campanha na Catalunha

A três dias das eleições na Catalunha, os balcões da Câmara Municipal de Barcelona foram esta quinta-feira palco de uma "batalha de bandeiras" entre formações que apoiam e rejeitam a independência da região, num sinal de crescente tensão na comunidade autonómica.

Barcelona viveu hoje um dia feriado por causa das festividades da Mercè e os grupos parlamentares da cidade catalã juntaram-se nos balcões do Ayuntamiento, numa Praça de Sant Jaume cheia de pessoas que assinalavam a ocasião.

Barcelona viveu hoje um dia feriado por causa das festividades da Mercè e os grupos parlamentares da cidade catalã juntaram-se nos balcões do Ayuntamiento, numa Praça de Sant Jaume cheia de pessoas que assinalavam a ocasião.

JESUS DIGES / Lusa

Barcelona viveu hoje um dia feriado por causa das festividades da Mercè e os grupos parlamentares da cidade catalã juntaram-se nos balcões do Ayuntamiento, numa Praça de Sant Jaume cheia de pessoas que assinalavam a ocasião.

De repente, o líder do grupo municipal da Esquerra Republicana Catalana (ERC), Alfred Bosch, pendurou do balcão uma 'estelada' (a bandeira da Catalunha independente, que acrescenta um triângulo azul e uma estrela branca de cinco pontas à bandeira oficial da Catalunha, a Senyera, que é vermelha e amarela às listas).

Ato contínuo, o seu homólogo do PP (que se opõe à separação da Catalunha do resto de Espanha) pendurou uma bandeira espanhola. O incidente durou pouco tempo, mas os muitos cidadãos que se concentravam na praça Sant Jaume soltaram gritos de "Independência" perante a bandeira catalã e apupos perante a bandeira espanhola.

Tudo acabou quando um dos elementos da hierarquia da presidente da Câmara, Ada Colau, pediu a ambos os políticos que retirassem as bandeiras. Ao lado dos políticos dos dois grupos, que ainda tentaram manter as respetivas bandeiras penduradas, estava o presidente da Generalitat (Governo Regional da Catalunha), Artur Mas.

O partido de Artur Mas, a Convergencia Democratica Catalana, integra a plataforma "Junts pel Sí" (Juntos pelo Sim) juntamente com a ERC e outros movimentos cívicos. A Junts pel Sí afirma que as eleições autonómicas de domingo são "um referendo de facto" pela independência da região e salientam que se obtiverem maioria absoluta no parlamento regional vão iniciar um processo de independência no espaço de um ano e meio.

A presidente da câmara (eleita com o apoio do Podemos) considerou que é partidária da liberdade de expressão, mas lamentou o "uso partidário" dos balcões do Ayuntamiento, que no seu entender representam "a pluralidade da instituição". Já os intervenientes diretos procuraram defender a sua posição.

Bosch recordou que a ERC já fez o mesmo noutras câmaras e congratulou-se que a 'estelada' tenha estado pendurada por uns minutos no balcão. Já Alberto Fernández Díaz afirmou que já esperava a atitude da ERC e que, por isso mesmo, já estava preparado.

O resto dos grupos municipais - com a exceção da Candidatura de Unidade Popular (esquerda radical independentista), que não compareceu - lamentou o sucedido. O partido Ciutadans (centro-direita, contra a independência) qualificou o incidente de "espetáculo lamentável" e o Partido Socialista da Catalunha (também contrário à independência) pediu "responsabilidade".

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.