sicnot

Perfil

Mundo

Guerra de bandeiras na Câmara de Barcelona aquece campanha na Catalunha

A três dias das eleições na Catalunha, os balcões da Câmara Municipal de Barcelona foram esta quinta-feira palco de uma "batalha de bandeiras" entre formações que apoiam e rejeitam a independência da região, num sinal de crescente tensão na comunidade autonómica.

Barcelona viveu hoje um dia feriado por causa das festividades da Mercè e os grupos parlamentares da cidade catalã juntaram-se nos balcões do Ayuntamiento, numa Praça de Sant Jaume cheia de pessoas que assinalavam a ocasião.

Barcelona viveu hoje um dia feriado por causa das festividades da Mercè e os grupos parlamentares da cidade catalã juntaram-se nos balcões do Ayuntamiento, numa Praça de Sant Jaume cheia de pessoas que assinalavam a ocasião.

JESUS DIGES / Lusa

Barcelona viveu hoje um dia feriado por causa das festividades da Mercè e os grupos parlamentares da cidade catalã juntaram-se nos balcões do Ayuntamiento, numa Praça de Sant Jaume cheia de pessoas que assinalavam a ocasião.

De repente, o líder do grupo municipal da Esquerra Republicana Catalana (ERC), Alfred Bosch, pendurou do balcão uma 'estelada' (a bandeira da Catalunha independente, que acrescenta um triângulo azul e uma estrela branca de cinco pontas à bandeira oficial da Catalunha, a Senyera, que é vermelha e amarela às listas).

Ato contínuo, o seu homólogo do PP (que se opõe à separação da Catalunha do resto de Espanha) pendurou uma bandeira espanhola. O incidente durou pouco tempo, mas os muitos cidadãos que se concentravam na praça Sant Jaume soltaram gritos de "Independência" perante a bandeira catalã e apupos perante a bandeira espanhola.

Tudo acabou quando um dos elementos da hierarquia da presidente da Câmara, Ada Colau, pediu a ambos os políticos que retirassem as bandeiras. Ao lado dos políticos dos dois grupos, que ainda tentaram manter as respetivas bandeiras penduradas, estava o presidente da Generalitat (Governo Regional da Catalunha), Artur Mas.

O partido de Artur Mas, a Convergencia Democratica Catalana, integra a plataforma "Junts pel Sí" (Juntos pelo Sim) juntamente com a ERC e outros movimentos cívicos. A Junts pel Sí afirma que as eleições autonómicas de domingo são "um referendo de facto" pela independência da região e salientam que se obtiverem maioria absoluta no parlamento regional vão iniciar um processo de independência no espaço de um ano e meio.

A presidente da câmara (eleita com o apoio do Podemos) considerou que é partidária da liberdade de expressão, mas lamentou o "uso partidário" dos balcões do Ayuntamiento, que no seu entender representam "a pluralidade da instituição". Já os intervenientes diretos procuraram defender a sua posição.

Bosch recordou que a ERC já fez o mesmo noutras câmaras e congratulou-se que a 'estelada' tenha estado pendurada por uns minutos no balcão. Já Alberto Fernández Díaz afirmou que já esperava a atitude da ERC e que, por isso mesmo, já estava preparado.

O resto dos grupos municipais - com a exceção da Candidatura de Unidade Popular (esquerda radical independentista), que não compareceu - lamentou o sucedido. O partido Ciutadans (centro-direita, contra a independência) qualificou o incidente de "espetáculo lamentável" e o Partido Socialista da Catalunha (também contrário à independência) pediu "responsabilidade".

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.