sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 450 mortos em esmagamento na peregrinação a Meca

Pelo menos 450 pessoas morreram e mais de 700 ficaram feridas às portas da cidade santa de Meca, na Arábia Saudita, onde decorre a Hajj, a maior peregrinação muçulmana. A proteção civil saudita confirma uma debandada no vale de Mina, o número de vítimas tem sido atualizado constantemente. É ainda desconhecido o motivo que levou à fuga desordenada dos peregrinos.

DIRECTORATE OF THE SAUDI CIVIL DEFENSE AGENCY / HANDOUT

DIRECTORATE OF THE SAUDI CIVIL DEFENSE AGENCY / HANDOUT

De acordo com a Associated Press, o número de vítimas mortais subiu para 453 e feridos são 719. "A contagem (das vítimas) continua e o número de mortos atingiu os 310, de diferentes nacionalidades", indicava antes, na rede social Twitter, a Defesa Civil. O balanço anterior dava conta de 220 mortos e 450 feridos. A primeira contagem de 100 mortos e 390 feridos já foi atualizada diversas vezes.

De acordo com a Defesa Civil, estão a decorrer as operações de socorro e seis das suas equipas estão no terreno a prestar os primeiros cuidados aos feridos e a direcionar o fluxo de peregrinos para "rotas alternativas".

Até ao momento, não foram adiantadas razões para a debandada em Mina, onde foram realizadas obras nos últimos anos para facilitar o movimento dos peregrinos.

Em janeiro de 2006, 364 peregrinos morreram numa debandada na mesma zona.

Antes do início da peregrinação, há 10 dias, uma grua caiu no interior da grande mesquita de Meca, provocando a morte de 109 pessoas e ferindo mais de 400.

o primeiro dia da festa de Adha, perto de dois milhões de peregrinos, segundo estatísticas divulgadas na quarta-feira, começaram hoje o ritual de apedrejamento de Santanás, no vale de Mina, no oeste da Arábia Saudita.

O ritual consiste em atirar sete pedras no primeiro dia do Eid al-Adha contra uma grande coluna que representa o Diabo e outras 21 no dia seguinte ou nos dois dias seguintes contra as três colunas (grande, média e pequena).

A peregrinação está entre os cinco pilares do islamismo e todos os muçulmanos deverão ser capazes de a realizar pelo menos uma vez na vida.

As autoridades sauditas mobilizaram 100 mil polícias e subiram o nível de alerta em toda a província de Meca, enquanto ainda decorre a guerra da Arábia Saudita no Iémen e a violência jihadista aumenta em alguns países muçulmanos.

Com Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.