sicnot

Perfil

Mundo

Hezbollah anuncia trégua de seis meses em três localidades sírias

O líder do movimento xiita libanês Hezbollah, aliado do regime sírio, anunciou esta sexta-feira uma trégua de seis meses em três localidades da Síria, concluída com os rebeldes sob supervisão da ONU.

A cidade de Zabadani, próxima de Damasco, foi alvo em julho de uma ofensiva das forças do regime, o que deu origem a uma aliança de vários grupos rebeldes, incluindo os extremistas sunitas aliados da Al-Qaida, para cercar as aldeias de Fua e Kafraya, de população xiita. (Arquivo)

A cidade de Zabadani, próxima de Damasco, foi alvo em julho de uma ofensiva das forças do regime, o que deu origem a uma aliança de vários grupos rebeldes, incluindo os extremistas sunitas aliados da Al-Qaida, para cercar as aldeias de Fua e Kafraya, de população xiita. (Arquivo)

© Stringer . / Reuters

A trégua vigora na cidade rebelde de Zabadani, próxima da fronteira com o Líbano (sudoeste), e nas aldeias xiitas de Fua e Kafraya, na província de Idleb (noroeste), quase totalmente controlada por forças rebeldes.

O acordo alcançado prevê "a retirada dos combatentes e dos feridos da cidade de Zabadani para a província de Idleb (...) em troca da retirada de 10.000 civis de Fua e Kafraya (...) para zonas controladas pelo regime sírio", disse Hassan Nasrallah numa entrevista à televisão do movimento, a Al-Manar.

A cidade de Zabadani, próxima de Damasco, foi alvo em julho de uma ofensiva das forças do regime, o que deu origem a uma aliança de vários grupos rebeldes, incluindo os extremistas sunitas aliados da Al-Qaida, para cercar as aldeias de Fua e Kafraya, de população xiita.

Lusa

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.