sicnot

Perfil

Mundo

Obama critica situação dos direitos humanos na China

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, criticou esta sexta-feira a situação dos direitos humanos na China, numa conferência de imprensa conjunta com o homólogo chinês, Xi Jinping.

Os Estados Unidos estão entre os países mais críticos do registo autocrático da China em relação a dissidência, liberdade de expressão ou de consciência, mas é raro um presidente referir-se ao assunto tão diretamente na presença de um dirigente chinês.

Os Estados Unidos estão entre os países mais críticos do registo autocrático da China em relação a dissidência, liberdade de expressão ou de consciência, mas é raro um presidente referir-se ao assunto tão diretamente na presença de um dirigente chinês.

© Gary Cameron / Reuters

"Manifestei, em termos sinceros, a nossa posição firme de que impedir jornalistas, advogados, organizações não-governamentais e grupos da sociedade civil de atuarem livremente ou encerrar igrejas e negar um tratamento igual às minorias étnicas, é tudo problemático, na nossa opinião, e impede a China e o seu povo de realizarem todo o seu potencial", disse Obama.

Os Estados Unidos estão entre os países mais críticos do registo autocrático da China em relação a dissidência, liberdade de expressão ou de consciência, mas é raro um presidente referir-se ao assunto tão diretamente na presença de um dirigente chinês.

Obama disse ter mantido com Xi uma "discussão franca" e que afirmou "o apoio total dos Estados Unidos aos direitos humanos e às liberdades fundamentais para todos os povos, incluindo a liberdade de reunião e de expressão, liberdade de imprensa e liberdade de culto".

Xi afirmou por seu lado que a China se preocupa com os direitos humanos, mas insistiu que as reformas serão feitas ao seu ritmo.

"A democracia e os direitos humanos são uma busca comum à Humanidade", disse. "Ao mesmo tempo, devemos reconhecer que os países têm processos e realidades históricas diferentes, que devemos respeitar o direito das pessoas de todos os países a escolher o seu percurso de desenvolvimento independentemente", acrescentou.

Noutro passo, Obama saudou os novos compromissos assumidos pela China na luta contra as alterações climáticas, afirmando que eles reforçam as hipóteses de alcançar um "acordo ambicioso" em Paris.

"Se os principais emissores (de gases com efeito de estufa) do planeta trabalharem juntos desta forma, não há nenhuma razão para que outros países -- desenvolvidos ou em desenvolvimento -- não façam o mesmo", disse.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.