sicnot

Perfil

Mundo

Papa reza com representantes de outras religiões na Zona Zero de Nova Iorque

O papa Francisco juntou-se hoje, em Nova Iorque, a representantes de outras religiões numa "oração pela paz" proferida na Zona Zero, em homenagem às vítimas dos atentados ali ocorridos a 11 de setembro de 2001.

Alessandra Tarantino

Ao dirigir-se aos presentes, o chefe da Igreja Católica mencionou a mescla "de sentimentos, de emoções" por estar naquele local, "onde milhares de vidas foram arrebatadas num ato insensato de destruição".

"Aqui, a dor é palpável", acrescentou Francisco, dizendo que a água que cai no monumento criado onde estiveram as Torres Gémeas "nos recorda todas essas vidas perdidas sob o poder daqueles que creem que a destruição é a única forma de solucionar os conflitos".

O papa assegurou depois que "nas divergências, nas discrepâncias, é possível viver num mundo de paz. Perante qualquer tentativa uniformizadora, é possível e necessário juntarmo-nos a partir das diferentes línguas, culturas e religiões".

Instou ainda a que se "levante a voz a todos quantos quiserem impedi-lo", afirmando: "Juntos somos convidados a dizer 'Não' a qualquer tentativa uniformizadora e um 'Sim' a uma diferença aceite e reconciliada".

"Precisamos de nos livrar de sentimentos de ódio, vingança, rancor", acrescentou o papa, pedindo "paz neste mundo vasto que Deus nos deu como casa de todos e para todos".

O evento contou também com a participação de representantes do hinduísmo, budismo, jainismo, sikhismo, judaísmo, nativos americanos, muçulmanos e de outros ramos do cristianismo.

A cerimónia começou no Memorial da Zona Zero, com as reflexões do rabino Elliot Cosgrove e de um imã da mesquita de Nova Iorque e do imã Khalid Latif, da Universidade de Nova Iorque.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.