sicnot

Perfil

Mundo

Hajj em Meca termina hoje, novo balanço dá conta de 769 mortos

As autoridades da Arábia Saudita destacaram hoje um largo número de forças especiais para Meca, no dia em que os peregrinos celebram os rituais finais do hajj, marcado pela trágica morte de 769 pessoas numa debandada.

© Ahmad Masood / Reuters

O ministro da Saúde Khaled al-Falih anunciou os novos números da tragédia ocorrida quinta-feira que aumentou dos 717 avançados ao início do dia.

Já o número de feridos chega agora aos 934 em vez dos 863 iniciais do incidente que é já considerado o pior do género em 25 anos ocorrido durante a peregrinação de fiéis muçulmanos à Arábia Saudita, tendo as autoridades de segurança do país recebido duras críticas.

A peregrinação aos locais sagrados é um dos cinco pilares do Islão.

Dezenas de "forças de emergência especiais" foram vistas hoje no nível um da Jamarat Bridge, uma estrutura de cinco andares em Mina, onde os peregrinos em ritual lançam a pedra ao diabo, e para onde centenas de milhar foram convergindo quando a debandada ocorreu nas proximidades.

Muito mais forças especiais patrulharam as ruas das redondezas que conduzem à estrutura que se assemelha a uma garagem, medidas que surgiram depois da tragédia.

Por seu turno, o ministro do Interior avançou ter delegado 100.000 polícias para fazer a segurança no "hajj" e para controlar a multidão.

Várias criticas à segurança no local da peregrinação surgiram de vários países, em especial do vizinho Irão, cujo número de peregrinos mortos ascende a 136.

"Não é só incompetência, mas um crime", acusou o procurador-geral iraniano Ebrahim Raeisi, revelando que os responsáveis podem ser levados a tribunal.

No primeiro dia do ritual de lapidação, perto de Meca, pelo menos 769 pessoas morreram e 934 ficaram feridas nos incidentes provocados pela aglomeração e entrada maciça de peregrinos em Meca, na pior tragédia dos últimos 25 anos

O "hajj" foi particularmente mortífero este ano. Pelo menos 109 pessoas morreram e cerca de 400 ficaram feridas, a 11 de setembro, quando uma grua caiu sobre a Grande Mesquita de Meca.

Centenas de milhar de fieis muçulmanos, enquadrados por um dispositivo de segurança reforçado, terminam hoje a grande peregrinação anual a Meca, dois dias após a maior tragédia ocorrido nos últimos 25 anos.

Hoje, às primeiras horas do dia, grupos de peregrinos deslocaram-se ao local de apedrejamento em Mina, onde o drama aconteceu, para o ritual final que consiste em atirar pedras ao diabo.

As autoridades sauditas ainda não estabeleceram uma lista das vítimas por nacionalidade enquanto um vasto numero de peregrinos ainda tentam encontrar os seus familiares, vivos ou mortos.

"Não dormimos, nem comemos depois da tragedia. Andamos a correr de hospital em hospital. Demos o seu nome e a sua fotografia em todos os hospitais", contou uma das peregrinas que não tem notícias do seu irmão há dois dias.

Lusa

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.