sicnot

Perfil

Mundo

Príncipe saudita detido nos Estados Unidos por forçar mulher a sexo oral

Um príncipe saudita foi detido em Los Angeles, suspeito de ter forçado uma mulher a fazer-lhe sexo oral na sua casa de Beverly Hills, informou na sexta-feira a polícia local.

O príncipe, de 28 anos, passou a noite na prisão e foi libertado sob fiança na quinta-feira após pagamento de caução de 300.000 dólares. (Arquivo)

O príncipe, de 28 anos, passou a noite na prisão e foi libertado sob fiança na quinta-feira após pagamento de caução de 300.000 dólares. (Arquivo)

Hasan Sarbakhshian

A polícia deteve o príncipe Majed Abdulaziz na quarta-feira depois de um telefonema de testemunhas que viram a mulher ensanguentada e a pedir ajuda, quando tentava escalar um muro à volta da propriedade, segundo o jornal Los Angeles Times.

O príncipe, de 28 anos, passou a noite na prisão e foi libertado sob fiança na quinta-feira após pagamento de caução de 300.000 dólares.

O indivíduo está também acusado de sequestro, agressão e ameaças de matar ou ferir alguém.

Majed Abdulaziz deverá comparecer perante a justiça a 19 de outubro. O homem arrisca uma pena até oito anos de prisão e multa de 10.000 dólares.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.