sicnot

Perfil

Mundo

Independentistas vencem com maioria absoluta na Catalunha

Os dois partidos independentistas, a Junts pel Sí e a CUP, com respetivamente 62 e 10 deputados, alcançaram um resultado combinado acima dos 68 deputados necessários para a maioria absoluta, nas eleições regionais deste domingo, na Catalunha.

Manu Fernandez / AP

A Junts pel Sí - do presidente Artur Mas - tem 62 deputados, o Ciudadanos é a segunda força, com 25 deputados, seguido do Partido Socialista da Catalunha, com 16 deputados. Segue-se o Partido Popular, com 11 deputados, a Catalunya Si que es Pot (apoiada pelo Podemos), com 11 deputados e a CUP, com 10 assentos.

Pela lei eleitoral espanhola, os novos deputados eleitos devem reunir-se em sessão plenária para escolher - se necessário em votações sucessivas - um presidente regional, o que abre caminho a pactos pós-eleitorais.

O presidente catalão Artur Mas já reagiu e afirmou que o "Sim" à independência ganhou nas eleições da Catalunha e que agora tem um "mandato democrático" para iniciar a separação face a Espanha.

Já o candidato da CUP (Candidatura de Unidade Popular, esquerda radical independentista), Antonio Baños, já disse "adeus" ao Estado espanhol, numa mensagem divulgada após as primeiras sondagens.

Na sua conta no Twitter, Antonio Baños escreveu: "Dedicado ao Estado espanhol. Sem rancores, adeus", acompanhando o "post" com um vídeo de uma banda humorística, Los Ronaldos, em que o grupo canta a canção "Adiós Papá".

Por outro lado, o líder do socialistas da Catalunha e candidato às eleições autonómicas Miguel Iceta considerou "um êxito" o resultado do seu partido, que contabilizou 16 deputados, menos quatro do que em 2012.

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, afirmou que os partidos que consideravam as eleições na Catalunha como um referendo à independência da região "perderam o plebiscito", porque a maioria dos catalães não quer esse caminho.

Já o cabeça-de-lista da coligação Junts pel Si, Raul Romeva, disse que a vitória nas eleições catalãs significa que os independentistas obtiveram o "mandato democrático" que queriam para prosseguir com o projeto da independência da região.

O Partido Popular (PP) espanhol avisou que o Governo "não vai consentir" que se continue o processo de independência da Catalunha.

Já o partido Ciudadanos, que conseguiu 25 deputados (contra nove em 2012), pediu novas eleições e a demissão do atual presidente do Governo regional, Artur Mas, por considerar "ingovernável" a situação política na região.

As forças do "Sim" reuniram 47,81%, contra os 52,19% das forças que não querem esse caminho, num sufrágio contou com a participação de 77,45% dos eleitores, uma adesão recorde.

  • Maioria absoluta independentista e uma nova fase na vida da Catalunha
    1:37

    Mundo

    Esta segunda-feira começa uma nova fase na vida da Catalunha. A região manifestou maioritariamente, este domingo, em eleições, a vontade de ser independente. Os resultados finais mostram uma maioria absoluta de partidos no novo Parlamento regional, que querem a secessão de Espanha. Na sede da plataforma Junts pel Sin, os enviados especiais da SIC, Rodrigo Pratas e Bernardo Bogarim, testemunharam uma festa grande, apesar de a vitória e maioria no Parlamento não representarem uma maioria de votos a favor da independência.

  • Independentistas ganham eleições na Catalunha

    Mundo

    A primeira sondagem à boca das urnas divulgada pela televisão catalã TV3 indica que a plataforma independentista Junts pel Sí, do presidente Artur Mas, ganhou as eleições autonómicas deste domingo na Catalunha, mas a precisar da extrema-esquerda CUP para ter maioria absoluta.

  • Presidente da Catalunha recebido com gritos pela independência em Barcelona
    1:39

    Mundo

    Os principais líderes políticos da Catalunha votaram durante a tarde deste domingo. O chefe do Governo regional, Artur Mas, teve que esperar quase meia hora para conseguir depositar o voto devido à elevada afluência às urnas. O líder da lista independentista, Juntos plo Sí, chegou acompanhado pela família e foi recebido com aplausos e gritos pela afirmação da província.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.