sicnot

Perfil

Mundo

Líder do Junts pel Sin diz que projeto independentista catalão foi reforçado

O cabeça-de-lista da coligação Junts pel Si, Raul Romeva, disse este domingo que a vitória nas eleições catalãs significa que os independentistas obtiveram o "mandato democrático" que queriam para prosseguir com o projeto da independência da região.

"As pessoas têm o direito a ser ouvidas. Hoje falaram, ganhou o 'sim' e nós tivemos um mandato democrático. Ninguém nos pode dizer que não temos a legitimidade para fazer o que tínhamos previsto" e construir um novo Estado, afirmou o político catalão.

"As pessoas têm o direito a ser ouvidas. Hoje falaram, ganhou o 'sim' e nós tivemos um mandato democrático. Ninguém nos pode dizer que não temos a legitimidade para fazer o que tínhamos previsto" e construir um novo Estado, afirmou o político catalão.

© Albert Gea / Reuters

Romeva falava após os outros dois líderes da coligação, o dirigente da Esquerra Republicana Catalana, Oriol Junqueras, e o atual presidente da Generalitat (governo regional), Artur Mas, terem feito discursos de vitória na praça junto ao centro cultural de Born, em Barcelona.

"As pessoas têm o direito a ser ouvidas. Hoje falaram, ganhou o 'sim' e nós tivemos um mandato democrático. Ninguém nos pode dizer que não temos a legitimidade para fazer o que tínhamos previsto" e construir um novo Estado, afirmou o político catalão.

De acordo com Raul Romeva, houve uma "campanha hostil por parte do bloco do 'não' [à independência], cheia de mentiras", mas os cidadãos não se amedrontaram e votaram "conscientes de uma oportunidade histórica".

Os dirigentes da Junts afirmaram, durante a campanha, que, caso os independentistas obtivessem a maioria absoluta no parlamento iniciariam um processo de negociações com Espanha, com a União Europeia e com os Estados-membros com vista à independência da Catalunha, no prazo de 18 meses.

Com cerca de 70% dos votos escrutinados, a plataforma Junts pel Si obtém 63 deputados (a maioria absoluta é aos 68 deputados regionais).

Para obter uma maioria absoluta, a Junts precisa dos 10 deputados do outro partido independentista, a CUP (Candidatura de Unidade Popular, esquerda radical).

No entanto, apesar de a Junts pel Si ter considerado as eleições autonómicas (para escolher os deputados ao novo parlamento regional) como um "referendo de facto", a plataforma de Mas colocou a fasquia no número de assentos e não na votação popular.

Com cerca de 70% dos votos escrutinados, as forças políticas do 'Sim' reúnem pouco mais de 47% dos votos, contra os cerca de 52% das forças que não querem esse caminho.

Quase 5,5 milhões de eleitores catalães foram hoje às urnas para escolher os deputados ao parlamento regional da Catalunha, numas eleições autonómicas convertidas pelos partidos independentistas num "referendo de facto" sobre a independência da região.

Pela lei eleitoral espanhola, os novos deputados eleitos devem reunir-se em sessão plenária para escolher - se necessário em votações sucessivas - um presidente regional, o que abre caminho a pactos pós-eleitorais.

Lusa

  • Independentistas ganham eleições na Catalunha

    Mundo

    A primeira sondagem à boca das urnas divulgada pela televisão catalã TV3 indica que a plataforma independentista Junts pel Sí, do presidente Artur Mas, ganhou as eleições autonómicas deste domingo na Catalunha, mas a precisar da extrema-esquerda CUP para ter maioria absoluta.

  • Presidente da Catalunha recebido com gritos pela independência em Barcelona
    1:39

    Mundo

    Os principais líderes políticos da Catalunha votaram durante a tarde deste domingo. O chefe do Governo regional, Artur Mas, teve que esperar quase meia hora para conseguir depositar o voto devido à elevada afluência às urnas. O líder da lista independentista, Juntos plo Sí, chegou acompanhado pela família e foi recebido com aplausos e gritos pela afirmação da província.

  • 2017 regista o valor mais alto de área ardida da última década
    0:56
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Suspeitas de fraude em matrículas escolares
    2:24

    País

    A Inspeção-Geral de Educação e Ciência (IGAE) abriu uma investigação por suspeitas de fraude nas matrículas, no agrupamento Filipa de Lencastre, em Lisboa. Muitos pais queixam-se de alegadas irregularidades no processo de admissão de vários alunos. Em algumas escolas foi preciso recorrer aos serviços da PSP para acalmar os ânimos. 

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46