sicnot

Perfil

Mundo

Confrontos entre polícias israelitas e palestinianos na Esplanada das Mesquitas

Novos confrontos entre a polícia israelita e jovens palestinianos foram registados na manhã de hoje na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém, onde uma elevada tensão acompanha a celebração da festa judaica de Sukkot (Tabernáculo), constatou uma jornalista da AFP.

© Baz Ratner / Reuters

Polícias foram destacados para a Esplanada das Mesquitas depois de terem utilizado gás lacrimogéneo para dispersar os fiéis e jovens manifestantes que laçaram pedras contra os agentes antes de se barricarem no interior da mesquita Al-Aqsa, cercada pelas forças da ordem.

Segundo a polícia, manifestantes que passaram a noite no local lançaram 'cocktails molotov' em direção aos polícias, o que provocou um pequeno incêndio á entrada do edifício.

Em comunicado, a polícia denuncia "uma exploração cínica de um local sagrado".

Jerusalém, cuja parte oriental e palestiniana está ocupada e anexada por Israel, é há meses palco de violência entre israelitas e palestinianos.

A Esplanada das Mesquitas, que inclui a mesquita Al-Aqsa e a Cúpula da Rocha, é o terceiro lugar sagrado do Islão após Meca e Medina. É designada pelos muçulmanos como al-Haram al-Sharif (Nobre Santuário).

O lugar é igualmente venerado pelos judeus, como o Monte do Templo, sendo considerado o local mais sagrado do judaísmo.

Os palestinianos receiam que Israel esteja a tentar alterar as regras que regem o local. As autoridades israelitas desmentem qualquer intenção.

A Esplanada das Mesquitas rege-se por um 'status quo' herdado do conflito de 1967: tanto judeus quanto muçulmanos podem visitar o lugar sagrado com vista para a Cidade Velha de Jerusalém, mas os judeus não têm o direito de rezar no local.

As Nações Unidas e os Estados Unidos já pediram moderação às duas fações, enquanto a Jordânia, que tem a custódia dos lugares sagrados muçulmanos em Jerusalém ao abrigo de um acordo de paz assinado com Israel em 1994, alertou que a situação é melindrosa.

Lusa

  • Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona é portuguesa e há mais um português desaparecido. Entretanto, uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.