sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 130 mortos em ataque da coligação árabe a casamento no Iémen

Pelo menos 131 pessoas morreram e dezenas ficaram hoje feridas num bombardeamento da coligação militar liderada pela Arábia Saudita a um casamento na província de Taiz, sudoeste do Iémen, noticiou a agência oficial Saba, controlada pelo movimento rebelde Huthi.

Abdulnasser Alseddik

A mesma fonte acrescentou que o balanço é ainda provisório e que todas as vítimas são civis, a maioria delas mulheres e menores.

O Ministério do Interior iemenita, também sob o controlo dos Huthi, disse em comunicado que entre os mortos há pelo menos 70 mulheres.

A agência noticiosa iemenita precisou que o ataque ocorreu na zona de Wahya, na região de Dabab, situada perto do porto de Al-Makha, na costa do mar Vermelho, a cerca de 250 quilómetros a sudoeste da capital, Sanaa.

As equipas de resgate continuam a trabalhar "no meio de grandes dificuldades, devido à escassez de pessoal médico e de combustível para as ambulâncias".

Segundo a imprensa local, o bombardeamento tinha como alvo duas grandes tendas e uma concentração de veículos que se encontravam próximos do lugar onde se estava a celebrar o casamento.

Por outro lado, a Saba indicou que a coligação árabe efetuou hoje mais de 30 bombardeamentos contra posições dos rebeldes e seus aliados na província petrolífera de Mareb, no norte do Iémen.

Os Huthi e as forças leais ao ex-presidente iemenita Ali Abdallah Saleh estão a tentar controlar as províncias de Mareb e Taiz para ficarem numa posição mais forte em futuras negociações com o Governo do atual chefe de Estado, Abdrabuh Mansur Hadi.

No domingo, pelo menos 28 civis morreram e 17 ficaram feridos num bombardeamento da coligação a uma localidade situada perto da fronteira iemenita com a Arábia Saudita.

A coligação liderada por Riade está a atuar no Iémen contra os Huthi desde março deste ano, quando estes conseguiram expulsar Hadi da cidade de Aden, à qual o Presidente regressou na semana passada, após os avanços registados no terreno pelas suas tropas, apoiadas pela aviação árabe.

Os bombardeamentos dos aliados árabes sunitas atingiram em muitas ocasiões alvos civis e fizeram vítimas entre a população em zonas sob o controlo dos rebeldes, especialmente na capital.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.